Vida

Stellantis | Fusão de FCA com PSA é concluída em negócio de US$ 52 bilhões

Stellantis | Fusão de FCA com PSA é concluída em negócio de US$ 52 bilhões

A FCA (Fiat Chrysler) e a PSA selaram sua tão esperada fusão hoje para criar a Stellantis, o quarto maior grupo automotivo do mundo. O novo conglomerado terá fundos o suficiente para financiar a mudança para a eletrificação e enfrentar rivais maiores, como Toyota e Volkswagen.

Demorou mais de um ano para as montadoras ítalo-americanas e francesas finalizarem o negócio de US$ 52 bilhões (R$ 275,8 bilhões), durante o qual a economia global foi afetada pela pandemia da Covid-19. As empresas anunciaram os planos de fusão em outubro de 2019, para criar um grupo com vendas anuais de cerca de 8,1 milhões de veículos.

"A fusão entre a PSA e a Fiat Chrysler, que conduzirá o caminho para a criação da Stellantis, tornou-se efetiva hoje", disseram as duas montadoras em comunicado.

As ações da Stellantis, que será comandada pelo atual presidente-executivo da PSA, Carlos Tavares, começarão a ser negociadas em Milão e Paris na segunda-feira, e em Nova York na terça-feira.

Agora, analistas e investidores estão voltando seu foco para como Tavares planeja enfrentar os enormes desafios que o grupo enfrenta - desde o excesso de capacidade de produção até um péssimo desempenho na China.

Tavares dará sua primeira coletiva de imprensa como CEO da Stellantis na terça-feira com o presidente John Elkann.

A FCA e a PSA disseram que a Stellantis pode cortar custos anuais em mais de 5 bilhões de euros (US$ 6,1 bilhões ou R$ 32,4 bilhões) sem o fechamento de fábricas, e os investidores estarão ansiosos para obter mais detalhes sobre como isso fará.

Marco Santino, sócio da consultoria Oliver Wyman, disse esperar que Tavares divulgue em breve os contornos de seu plano de ação, mas sem divulgar muitos detalhes.

"Ele provou ser o tipo de pessoa que prefere ação a palavras, então não acho que ele fará declarações em voz alta ou tentará vender demais aos alvos", disse ele.

Eletrificação

Como todas as montadoras globais, a Stellantis precisa investir bilhões nos próximos anos para transformar sua gama de veículos para a era elétrica.

Mas outras tarefas urgentes se aproximam, incluindo reviver as fortunas atrasadas do grupo na China, racionalizar seu enorme império global e lidar com o enorme excesso de capacidade.

"Será um processo passo a passo, também para permitir que o mercado aprecie melhor cada movimento. Não acho que teremos todos os detalhes antes de um ano ", disse Santino.

O CEO da FCA Mike Manley - que chefiará as principais operações da Stellantis na América do Norte - disse que 40% das sinergias esperadas da montadora viriam da convergência de plataformas e motores e da otimização de investimentos em pesquisa e desenvolvimento, 35% de economias em compras e outros 7% de economia nas operações de vendas e despesas gerais.