Vida

Carros | Carro ou bicho? Dez modelos que se parecem com animais

Carros | Carro ou bicho? Dez modelos que se parecem com animais

Você já ouviu falar de pareidolia? O nome é estranho, mas trata-se de um fenômeno psicológico que faz com que as pessoas percebam algum significado onde, ao menos em sua essência, não há. É o que faz, por exemplo, enxergarmos formas em uma nuvem.

Esse fenômeno pode explicar outra coisa que ocorre na relação entre humanos e carros: afinal, por que às vezes associamos o visual de um veículo ao de um animal?

Tá certo que alguns fabricantes facilitam essa tarefa de várias formas, seja com uma referência direta ou, ainda, ao criar modelos de visual controverso. Abaixo listamos alguns deles. Confira!

Dodge Viper

Dodge Viper RT/10 - Divulgação - Divulgação
Imagem: Divulgação

Um dos exemplos mais clássicos de associação entre o mundo dos carros e os animais chegou às lojas em 1992: o Dodge Viper. Criado para ser um carro "sem frescuras", ele até passava um pouco do ponto nesse quesito, sendo um esportivo bastante forte e bruto.

18.dez.2012 - Esta víbora olhos de rubi ("Trimeresurus Rúbeo") foi descoberta nas florestas de Ho Chi Minh, no sul do Vietnã. A WWF (Fundo Mundial para a Natureza, na sigla em inglês) divulgou nesta terça-feira (18) a descoberta de 126 espécies desconhecidas na região do rio Mekong, na Ásia - Peter Paul Van Dijk/WWF/AFP - Peter Paul Van Dijk/WWF/AFP
Imagem: Peter Paul Van Dijk/WWF/AFP

A inspiração nos bichos vinha no nome e no visual: as víboras. Os faróis lembram os olhos de uma serpente, a abertura no para-choque dianteiro a boca e até mesmo as fossetas loreais, estrutura típica desses animais, foram representadas pelos faróis auxiliares do modelo.

Volkswagen Fusca

Bispo rifa seu Fusca para ajudar em obras de santuário no ES - Arquivo Pessoal - Arquivo Pessoal
Imagem: Arquivo Pessoal

Um dos casos que a associação a algum bicho marca um carro ocorreu com o Fusca. As linhas arredondadas do modelo renderam uma enorme associação a um grupo de insetos: os besouros.

Besouro Golias - Reprodução - Reprodução
Imagem: Reprodução

No Brasil isso não não marcou tanto, mas em outros mercados, como o dos Estados Unidos, a associação foi mais longe: virou nome. Por lá, o modelo era vendido como Volkswagen Beetle e acabou iniciando uma espécie de dinastia, com vários modelos da fabricante tendo nomes de animais por lá, caso do Golf, que virou Rabbit, e também do Voyage, vendido como Fox.

Fiat Multipla

Fiat Multipla - Divulgação - Divulgação
Imagem: Divulgação

Controversa. Esse é o adjetivo mais leve quando falamos da Fiat Multipla, fabricada entre 1998 e 2005 e figura carimbada em listas de carros mais feios de todos os tempos. Basicamente, as linhas do modelo fazem com que pareça que há um carro sobre outro, uma solução para lá de estranha.

Casal de beluga é registrado em momentos descontraídos por fotógrafo - Reprodução/Dailymail - Reprodução/Dailymail
Imagem: Reprodução/Dailymail

E qual animal isso lembra? Sim, as belugas. Para a sorte do animal, porém, o visual estranho confere um certo ar de fofura, algo que definitivamente não acontece no caso da minivan italiana.

Jaguar XF

Jaguar XF 2012 - Divulgação - Divulgação
Imagem: Divulgação

Aqui a associação está clara e já aparece no nome da marca britânica. A referência, claro, são os felinos de grande porte - perdendo nesse quesito apenas para os tigres e os leões - que vivem nas Américas e que no Brasil são chamadas de onças.

4.out.2016 - Uma onça-pintada no Peru. Caçadoras ágeis, elas farejam a presa em terra e água, ao contrário de outros felinos - Jason Edwards/National Geographic Creative - Jason Edwards/National Geographic Creative
Imagem: Jason Edwards/National Geographic Creative

Isso, porém, nem sempre se refletiu no visual dos modelos da marca - quem aqui lembra do S-Type? -, mas a partir do XF, de 2007, a fabricante assumiu de vez o seu lado felino. Isso ficou bastante aparente na identidade visual dos modelos, especialmente nos faróis, que adotaram um visual afilado que lembra os de um felino pronto para atacar.

Corvette Sting Ray

Corvette Stingray semelhante ao de Jeff Beck - Getty Images - Getty Images
Imagem: Getty Images

O Chevrolet Corvette já estava no mercado há nove anos quando sua segunda geração estreou e deixou de lado qualquer traço do modelo anterior. Saía de cena o visual clássico, arredondado e com cara de simpático e entrava em cena um modelo de linhas bem mais agressivas.

Arraia - Reprodução/Instagram - Reprodução/Instagram
Imagem: Reprodução/Instagram

O visual do Corvette de segunda geração, inclusive, inspirou o sobrenome oficial do modelo: Sting Ray. É uma referência às arraias e isso fica ainda mais aparente quando o carro é visto de cima, com um corpo que parece achatado e se afina em direção à traseira. Com o passar dos anos, o Corvette perdeu parte dessa essência, mas o nome foi resgatado em 2014, com a chegada da sétima geração do carro.

Subaru Impreza

Subaru Impreza 2001 - Wikimedia Commons - Wikimedia Commons
Imagem: Wikimedia Commons

Quando a segunda geração do Subaru Impreza foi lançada, em 2000, o modelo já era famoso pelo seu desempenho e, principalmente, por ser um verdadeiro monstro nos ralis.

Mordida de formiga - Reprodução/Bluebird - Reprodução/Bluebird
Imagem: Reprodução/Bluebird

Esse histórico, porém, não impediu que a nova geração do sedã fosse recebida com algumas piadas. O alvo, no caso, eram os faróis arredondados que renderem ao modelo um apelido: bugeye, ou olhos de inseto - e nem mesmo a versão esportiva, WRX, escapou das piadas. Os "olhinhos redondos" duraram pouco: dois anos depois, o carro ganhou novos, e bem mais bonitos, faróis.

Mazda MX-5

Mazda MX-5 1998 - Divulgaçãoo - Divulgaçãoo
Imagem: Divulgaçãoo

O já icônico roadster sempre cativou seus donos pela combinação entre acessibilidade e diversão, algo que manteve ao longo das cinco gerações do modelo. Mas essa não foi a única característica que acompanhou a trajetória do carro.

Bagre africano - Reprodução - Reprodução
Imagem: Reprodução

Especialmente a partir da sua segunda geração, quando perdeu os faróis escamoteáveis, o MX-5 ganhou um visual que lembra o de um bagre. A referência ao peixe não ocorre de maneira oficial, mas as linhas arredondadas do modelo e os olhos acabam remetendo ao animal.

Chevrolet Monza

Chevrolet Monza - Divulgação - Divulgação
Imagem: Divulgação

Um dos carros mais desejados dos brasileiros nos anos 1980, o Monza ganhou uma reestilização mais profunda em 1990, quando deixou de lado as linhas mais retas e passou a adotar o estilo típico da década, com traços mais arredondados.

Examinadores encontraram a mão e a aliança de casamento do homem dentro de um tubarão-tigre - Getty Images - Getty Images
Imagem: Getty Images

Era um visual equilibrado, mas que rendeu ao carro um apelido: Monza Tubarão, referência ao nariz do peixe. Continuou sendo uma das referências em conforto, mas isso mudou com a abertura das importações em 1991, quando o modelo entrou em decadência.

Chevrolet Spin

Chevrolet Spin LTZ 2016 - Divulgação - Divulgação
Imagem: Divulgação

A minivan lançada em 2012 para substituir em uma tacada só a Zafira e a Meriva no mercado nacional nunca foi uma referência em termos de design. A grande carroceria não conversava com alguns elementos, como os arcos de roda.

Capivara caminha tranquilamente por Campo Olímpico de Golfe - REUTERS/Andrew Boyers - REUTERS/Andrew Boyers
Imagem: REUTERS/Andrew Boyers

Nada disso impede do carro ter uma semelhança com um animal simpático: as capivaras. Os roedores de grande porte também parecem um pouco desproporcionais, mas são simpáticos - e adorados em países como o Japão.

Fiesta Rocam

Ford Fiesta Rocam - Divulgação - Divulgação
Imagem: Divulgação

A quarta geração do compacto - e segunda vendida no Brasil -, estreou em 1996 com um visual curioso que ganhou o apelido de "Fiesta triste". Essa aparência durou até 1999, quando um facelift foi lançado no país e o carro ganhou novos faróis e para-choques.

Dobby, o gato que gerou polêmica com Viih Tube do 'BBB 21' - Instagram/Reprodução - Instagram/Reprodução
Imagem: Instagram/Reprodução

De triste, ele passou a ser chamado de "Fiesta gatinho". A alusão, novamente, era "culpa" do conjunto óptico dianteiro, que se espichava em direção ao capô do carro, lembrando olhos e orelhas dos felinos.