Vida

Avaliação | Renault Sandero GT Line 1.0 disfarça desempenho pacato com estilo esportivo

Avaliação | Renault Sandero GT Line 1.0 disfarça desempenho pacato com estilo esportivo

Houve um tempo em que os populares não escondiam suas origens humildes. Para-choques sem pintura, rodas de aço e até a ausência do espelho retrovisor direito eram claros indícios de que aquele era um carro barato.

Felizmente os tempos são outros e as montadoras passaram a se preocupar com o visual. Prova disso está no Renault Sandero GT Line, que abusa do estilo esportivo para camuflar sua vocação estritamente urbana.

Por R$ 62.990, ele custa R$ 2.600 a mais do que a versão Zen, que traz estilo mais discreto. Vale a pena gastar um pouco a mais pela "perfumaria"? Descubra a seguir na avaliação de UOL Carros.

 DIvulgação

Renault Sandero GT Line 1.0 Flex

Preço

R$ 62.990
ENTENDA AS NOTAS DA REDAÇÃO

Bons números de consumo com etanol e ótimas marcas quando abastecido com gasolina

Motor 1.0 é competente na cidade e não passa aperto na estrada, mas não condiz com o visual nervoso do hatch

Adereços esportivos fizeram bem ao Sandero, que ficou bem atraente nesta versão

Pacote de itens de série não surpreende, mas marca ponto positivo ao vir com 4 airbags

Ponto forte do Sandero desde a 1ª geração, o amplo espaço interno ainda não foi igualado pelos rivais

Custos de revisão poderiam ser mais baratos, mas também não doem no bolso

Sai de fábrica com 4 airbags, mas falta ESP e controle de tração

Pontos Positivos

Pontos Negativos

Veredito

O Sandero GT Line é uma opção interessante para quem gosta do visual mais esportivo, mas não pode (ou simplesmente não quer) levar o R.S. para casa. Por R$ 62.990, ele dá uma pitada de estilo ao hatch, que é um 1.0 valente e competente para uso urbano. Mas quem não faz questão de andar com um popular mais estiloso por aí vai fazer uma boa economia levando o Sandero Zen. Ele pode não ter tantos itens de série quanto o GT Line, mas traz o mesmo motor e é um popular tão competente quanto a versão mais cara - só que custa menos.

Sandero GT Line 1 - Foto: Renault | Divulgação - Foto: Renault | Divulgação
Versão apela para o visual esportivo
Imagem: Foto: Renault | Divulgação

A equipe de design da Renault América Latina fez um bom trabalho na reestilização do Sandero. As lanternas mais largas casaram bem com o restante do conjunto e ainda deixaram o hatch em sintonia com a identidade visual da marca lá fora.

Fato é que a versão GT Line faz o compacto ser ainda mais atraente aos olhos. Fazem parte da configuração as rodas de liga leve de 15 polegadas e o aerofólio traseiro. Evidentemente não chega a ser um Sandero R.S., mas não dá para menosprezar o poder de atração do GT Line - especialmente numa categoria tão carente de versões mais equipadas (ao menos visualmente) como a dos hatches compactos de entrada.

Por dentro, o carro pode vir com um bonito revestimento nos bancos, que combina tecido exclusivo com detalhes em azul. Este tipo de acabamento faz parte de um pacote opcional de R$ 900, que acrescenta rodas de liga leve de 16 polegadas.

A cor azul também aparece nas molduras das saídas de ar-condicionado. Detalhes à parte, o amplo espaço interno segue sendo uma das maiores virtudes do Sandero, tanto para passageiros quanto para bagagem - vide o generoso porta-malas de 320 litros, o maior da categoria.

Sandero GT Line 2 - Vitor Matsubara/UOL - Vitor Matsubara/UOL
Motor SCe tem desempenho bom para um 1.0
Imagem: Vitor Matsubara/UOL

O motor 1.0 SCe de três cilindros em linha entrega até 82 cv e 10,5 kgfm quando abastecido com etanol. É dele a missão de impulsionar os 1.035 quilos do Sandero - e ele faz isso com competência.

O hatch consegue arrancar nos semáforos com alguma desenvoltura e não sofre do marasmo nas retomadas que caracterizava o antigo Sandero 1.0. O carro não perde fôlego mesmo com o ar-condicionado ligado - exceto em subidas, situação na qual nenhum concorrente faz milagre.

É claro que nada disso acontece se você não esticar bem as marchas, como é de praxe em alguns carros 1.0. A caixa manual de cinco marchas poderia ter engates mais precisos e justos, mas nada que o motorista não se acostume com a convivência.

Se o Sandero GT Line não empolga tanto quanto o visual faz sugerir, o consumo é uma grata surpresa. Com gasolina no tanque, a Renault informa números acima de 14 km/l na cidade e na estrada. Nada mal.

Sandero GT Line 4 - Divulgação - Divulgação
Detalhes azuis e revestimento interno exclusivo estão na cabine do GT Line
Imagem: Divulgação

Por R$ 62.990, a versão GT Line é baseada na Zen. que custa R$ 60.390.

O hatch sai de fábrica com 4 airbags, ar-condicionado, direção elétrica, travamento central das portas, indicador de trocas de marcha, banco do motorista com regulagem de altura, coluna de direção com regulagem de altura e central multimídia com suporte a Android Auto e Apple CarPlay.

Além dos adereços esportivos, a diferença de R$ 2.600 está na oferta de vidros elétricos nas quatro portas (o Sandero Zen tem apenas nas portas dianteiras) e nas rodas de liga leve de 15 polegadas - podendo ser trocadas por um conjunto aro 16 ao preço de R$ 900.

Sandero GT Line 5 - Divulgação - Divulgação
Hatch agrada ao vir de fábrica com 4 airbags
Imagem: Divulgação

Como mencionamos acima, o Sandero GT Line vem com airbags frontais e laterais de fábrica.

Embora a oferta das bolsas laterais seja um importante diferencial em relação a alguns concorrentes (como Ford Ka e Hyundai HB20), ele sai perdendo em relação ao Chevrolet Onix, que vem com 6 airbags. O compacto da GM ainda sai de fábrica com controles de estabilidade e de tração e assistente de partida em rampas, itens inexistentes no Sandero.

Já os valores das revisões poderiam ser mais baixos para um veículo de entrada como o Sandero. Mesmo assim, os preços não assustam e estão dentro da média cobrada pela maioria dos concorrentes.

Sandero GT Line 6 - Divulgação - Divulgação
Rivais do GT Line, HB20 e Ka são mais recheados
Imagem: Divulgação

Os principais concorrentes do Sandero GT Line são dois modelos sem visual esportivo, mas com outras semelhanças.

O Ford Ka SE Plus 1.0 custa R$ 56.790 e vem com vidros elétricos nas quatro portas, central multimídia SYNC 2,5 e rodas aro 15. Frente ao Renault, ele traz a mais os sensores de estacionamento traseiros e os espelhos retrovisores com regulagens elétricas. Seu motor entrega 85 cv quando abastecido com etanol.

Já o Hyundai HB20 Evolution Pack 1.0 sai por R$ 58.990. Diferente do Sandero, ele aposta em um visual mais sofisticado e vem com uma lista de itens de série mais generosa do que o rival.

Além dos 4 airbags também presentes no Renault, o compacto vem com controles de estabilidade e de tração, assistente de partida em rampas, acendimento automático dos faróis e câmera de ré. O motor de 1-litro e três cilindros do Hyundai gera até 80 cv com etanol.