Tecnologia

Trump manda investigar riscos de segurança nos drones chineses

Trump manda investigar riscos de segurança nos drones chineses

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, assinou na segunda-feira (18) decisão que instruindo agências do país a avaliar riscos de segurança de drones de fabricação chinesa em frotas do governo americano e priorizar sua remoção.

Trump instruiu todas as agências dos EUA a delinear riscos de segurança impostos à frota governamental de drones montados por empresas chinesas ou outros países considerados adversários estrangeiros, incluindo Rússia, Irã e Coreia do Norte.

Saiba como controlar o dinheiro e organizar as contas pelo celular

A decisão também orienta as agências a delinear "medidas potenciais a serem tomadas para mitigar esses riscos, incluindo, se necessário, descontinuar todo o uso federal de (drones) cobertos e a remoção rápida de (drones) do serviço federal."

Veja também
  • Vice do conselho da Samsung é condenado a 30 meses de prisão
    Tecnologia e Ciência

    Vice do conselho da Samsung é condenado a 30 meses de prisão

  • Google registra grande aumento das buscas por 'vacina'
    Tecnologia e Ciência

    Google registra grande aumento das buscas por 'vacina'

  • Macacos de Bali roubam celulares em busca de boas recompensas
    Tecnologia e Ciência

    Macacos de Bali roubam celulares em busca de boas recompensas

No mês passado, o Departamento de Comércio dos EUA adicionou a chinesa SZ DJI Technology, maior fabricante mundial de drones, à lista negra do governo, junto com dezenas de outras empresas chinesas. Um porta-voz da DJI não quis comentar imediatamente.

Cientistas descobrem nova espécie de morcego laranja

Em janeiro de 2020, o Departamento do Interior suspendeu sua frota de cerca de 800 drones de fabricação chinesa, mas disse que permitiria seu uso em situações de emergência.

O secretário do Interior dos EUA, David Bernhardt, ordenou em outubro a suspensão das compras adicionais de drones feitos na China pelo departamento.

Copyright © Thomson Reuters.

Compartilhe: