Tecnologia

Leilão do 5G deve ocorrer até junho de 2021, diz relator

Leilão do 5G deve ocorrer até junho de 2021, diz relator

O conselheiro Carlos Manuel Baigorri, relator do 5G na Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações), afirmou nesta terça-feira (24) que o leilão da rede deve ocorrer até o fim do primeiro semestre de 2021.

“A previsão é de ter um edital aprovado na Anatel no começo do ano que vem, sendo que a sessão de lances deve ocorrer ao final no primeiro semestre”, afirmou Baigorri.

A tecnologia 5G é a quinta geração das redes de comunicação móveis. Ela promete velocidades até 20 vezes superiores ao 4G. Em ambiente controlado, as redes 4G podem ter velocidades de até um gigabit por segundo. Assim, permite um consumo maior de vídeos, jogos e ambientes em realidade virtual.

Baigorri se encontrou com o ministro das Comunicações, Fábio Faria (PSD-RN), presidente da Anatel, Leonardo Euler de Morais, e o presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Participaram também da reunião, que ocorreu entre 14h e 15h, os conselheiros Emmanoel Campelo de Souza Pereira e Abraão Balbino.

A reunião teve o propósito, segundo Faria, de o relator conversar com Bolsonaro sobre o leilão.

O encontro contou, ainda, com a presença do general Heleno, ministro do GSI (Gabinete de Segurança Institucional) – seu nome, contudo, não estava na agenda oficial. Questionado sobre o motivo de Heleno estar na audiência, Faria disse que o tema 5G “se trata também de segurança nacional”.

Mais: Decisão sobre 5G no Brasil deve considerar risco de espionagem não apenas da China, diz especialista da Eurasia

Faria contou que na próxima semana viajará para Suíça e, na sequência, encontrará com players europeus do mercado do 5G. O ministro das Comunicações disse que fará outra viagem sobre o tema – esta provavelmente na segunda quinzena de janeiro, para a Ásia.

Uma fonte que acompanha as tratativas disse que a proposta de lançar o até o fim do primeiro semestre é “desafiadora, mas factível”. O processo, conta esse interlocutor, tem que passar pelo TCU (Tribunal de Contas da União), que pode utilizar o prazo máximo de análise de 90 dias.