Tecnologia

Compra da Arm pela Nvidia será investigada pelas autoridades no Reino Unido

Compra da Arm pela Nvidia será investigada pelas autoridades no Reino Unido

A Autoridade de Concorrência e Mercados (CMA) anunciou uma investigação sobre uma aquisição de US$ 40 bilhões (£ 29,5 bilhões) da designer de chips de computador do Reino Unido Arm Holdings.

A Nvidia, especialista em chips gráficos dos EUA, concordou em comprar a empresa do grupo japonês Softbank em setembro do ano passado.

O órgão responsável pela investigação na Grã-Bretanha tem examinado a venda, com as duas empresas esperando alguma ação.

A Arm tem papel fundamental no funcionamento da grande maioria dos smartphones e outros dispositivos.

Seus designs estão nos processadores feitos pela Apple, Samsung, Sony e Huawei.

A CMA convidou as "partes interessados" a comentar sobre o impacto que a fusão poderia ter sobre a concorrência no Reino Unido.

Sua investigação formal começará ainda este ano.

O CMA disse que irá investigar se, após a aquisição, a Arm receber orientações para aumentar preços e reduzir ou mesmo inviabilizar a disponibilidade de seus produtos para concorrentes de sua nova proprietária

"A indústria de tecnologia de chips vale bilhões e é fundamental para muitos dos produtos que mais usamos em nossas vidas diárias", disse o presidente-executivo da CMA, Andrea Coscelli.

"Trabalharemos em estreita colaboração com outras autoridades de concorrência em todo o mundo para considerar cuidadosamente o impacto do negócio e garantir que ele não resulte em produtos mais caros ou de qualidade inferior para os consumidores."

Até agora, a Comissão Europeia era responsável pela maioria dos grandes e complexos processos de concorrência envolvendo o Reino Unido.

O CMA assumiu essas responsabilidades após a saída do Reino Unido da União Europeia.

Sua atribuição, por lei, é avaliar o impacto potencial de uma fusão na concorrência.

No ano passado, mais de 2.000 líderes empresariais assinaram uma carta aberta pedindo ao primeiro-ministro que parasse com a fusão, dizendo que empregos e influência no Reino Unido poderiam ser perdidos.

A Nvidia prometeu manter a sede da empresa no Reino Unido, contratar mais funcionários e manter a marca da Arm.

Ele disse que o acordo criaria "a principal empresa de computação na era da inteligência artificial".

E a empresa acrescentou: "Acreditamos que o processo de aprovação levará cerca de 18 meses a partir de quando assinamos o acordo. O processo regulatório é confidencial e não faremos comentários sobre as etapas ao longo do caminho."

Quando surgiram notícias da venda do que é provavelmente o negócio mais significativo dos últimos 30 anos no ramo da tecnologia no Reino Unido, houve consternação generalizada com pedidos para que o governo interviesse.

Mas isso foi em 2016, quando a SoftBank do Japão comprou a Arm.

O acordo de 2020, que viu a SoftBank vender a Arm para a Nvidia, foi recebido no Reino Unido com um encolher de ombros resignado — além da feroz oposição do co-fundador do negócio de Cambridge, Hermann Hauser.

Afinal, que poder os reguladores britânicos poderiam ter sobre um negócio envolvendo um vendedor japonês e um comprador americano?

No entanto, o CMA sentiu a necessidade de intervir, talvez para estabelecer um marco agora que o Reino Unido está fora da UE e está livre para flexionar seus músculos reguladores.

No entanto, este é um primeiro passo que pode não levar a lugar nenhum.

A Nvidia estará mais preocupada com outros reguladores ao redor do mundo que podem ouvir as reclamações de seus rivais de que, ao assumir o controle da plataforma de licenciamento neutra da Arm, irá sufocar a concorrência no mercado de chips.

A China, em particular, já deixou claro que não está feliz com um acordo que dá tanto poder a um gigante americano em um momento em que os EUA tentam negar às empresas chinesas acesso à tecnologia de chips.

BBC Brasil - Todos os direitos reservados - É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC

Compartilhe: