Política

Termo "Ditadura Militar" teria sido um dos motivos que levou demissão de funcionários do Inep

De acordo com a deputada federal Tabata Amaral (PSB-SP), em entrevista ao site Congresso em Foco, o termo “ditadura militar” foi um dos motivos que gerou o entrave no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e que gerou a demissão de funcionários do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas (Inep).

Segundo a deputada, as informações requeridas junto ao Ministério da Educação sobre possíveis interferências no Enem, que acontece nos próximos dois domingos (21 e 28), ainda não foram enviadas, mas que há informações preliminares e de bastidores obtidas a partir de relatos dos profissionais que deixaram o instituto que a ideologia foi um dos fatores.

Segundo informações da deputada, um dos pontos em que houve “exigência” de mudança na prova foi com o termo “ditadura militar”, presente em algumas questões. O termo foi substituído por “regime militar”. Além da questão ideológica, o simples fato de haver mudança na prova mostra que ela pode ter sido vazada.

O ministro da Educação, Milton Ribeiro, repercutiu a frase do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), de que a prova teria a “cara do governo”. Milton, disse, nessa quarta-feira (17), que a frase não se referia a uma questão ideológica, mas sim “a cara da competência do governo”.