Política

João Azevêdo cogita convidar Cícero ao Cidadania e diz ser "natural" um apoio do prefeito em 2022

João Azevêdo cogita convidar Cícero ao Cidadania e diz ser

João Azevêdo (Cidadania) comentou as declarações do presidente da Assembleia Legislativa, Adriano Galdino (PSB), em que garantiu que Cícero Lucena (PP) havia declarado apoio a reeleição do governador. Azevêdo disse ser “natural” o apoio do prefeito de João Pessoa à sua candidatura. A análise foi feita em entrevista ao programa Frente a Frente, da TV Arapuan. A dúvida em relação a 2022 se deve a possibilidade de uma candidatura do partido de Cícero ao Governo do Estado.

“Dei uma modesta contribuição para a eleição do prefeito Cícero Lucena e é natural que estejamos juntos em 2022. O Governo tem atuado junto com a prefeitura da capital em obras que beneficiam a população e fazia tempo que isso não acontecia. É claro que o Governo não beneficia apenas municípios aliados. Nossas ações têm contemplado todos os municípios”, avaliou João.

Sobre uma possível candidatura do PP ao governo, principalmente encabeçada por Daniella Ribeiro, João Azevêdo admitiu que existe essa hipótese e revelou que pode convidar Cícero para ingressar no Cidadania.

Uma das decisões difíceis de João será a do seu vice e do senador de sua chapa, quanto a isso, o governador deixou para o ano que vem, citando os nomes de Aguinaldo Ribeiro, Efraim Filho e Adriano Galdino como possibilidades de sua base para concorrer ao Senado.

“Neste momento, precisamos do apoio de todos para ajudar o Governo. A discussão sobre as eleições não devem acontecer de maneira antecipada. Ninguém vai formar uma chapa agora. Os projetos estão sendo colocados pelos representantes dos partidos e eles serão discutidos no momento oportuno”, declarou.

João comentou ainda o apoio do senador Veneziano Vital do Rêgo, o tratando como “um parceiro extraordinário”. Quanto a continuidade do apresentador Nilvan Ferreira no partido, João disse que “se não há uma compatibilidade entre o que pensa o apresentador Nilvan Ferreira e a forma de fazer política do MDB, talvez o caminho dele seja outro”.

No entanto, o governador disse que a decisão era do partido: “Isso não me cabe. É uma discussão para o MDB fazer”.