Política

IMPEACHMENT OU GOLPE: Bolsonaro cava sua cova – Por Merval Pereira

IMPEACHMENT OU GOLPE: Bolsonaro cava sua cova – Por Merval Pereira

Quando foi anunciado o general Hamilton Mourão como vice-presidente na chapa de Jair Bolsonaro para concorrer à Presidência da República, um dos filhos do candidato fez o seguinte raciocínio, em voz alta: é bom ter um nome “cascudo”, para deixarem de pensar em impeachment. Fazia referência a que o companheiro de chapa era um general de Exército que já dera demonstrações de que seguia a linha de seu pai, ao elogiar o torturador Ustra, ou ao se referir à possibilidade de um “autogolpe”. O feitiço, porém, virou contra o feiticeiro.

Hoje, o fato de ter Mourão como vice traz tranquilidade diante do futuro, caso Bolsonaro seja impedido pelo Congresso. Não que seja um estadista, muito menos traidor, como o presidente desconfia, mas é o agregador natural, pelo cargo que ocupa e pelas atitudes que vem tomando, das insatisfações disseminadas. Mourão tem tido comportamento correto diante das grandes crises, demonstra bom senso na maior parte das vezes, coloca-se como alternativa natural ao gênio explosivo de Bolsonaro, sem precisar fazer declarações críticas, apenas usar o bom senso.

Quando os militares começaram a assumir cargos importantes no ministério de Bolsonaro e em seu entorno, parecia a todos que serviriam como força moderadora do instinto selvagem de Bolsonaro. O fato de não terem reagido às muitas provocações do presidente, quando insuflava manifestações em frente ao Palácio do Planalto ou do Quartel-General do Exército, contra o Supremo Tribunal Federal (STF) ou o Congresso, fez supor que os militares o respaldavam nesses assaltos ao estado de direito. Chamando de “meu Exército” o Exército brasileiro, dava a impressão de que tudo estava dominado por seu radicalismo.

Demorou, mas ficou claro agora que o respeito à hierarquia tem um limite, coisa que Bolsonaro desconhece. Assim como acha que o presidente da República é um imperador, com todas as suas vontades atendidas, também acha que ser comandante em chefe das Forças Armadas permite que suas vontades sejam aceitas sem pestanejar por seus subordinados. Militares não seguem ordens absurdas é um lema corrente nas Forças Armadas. Licença para ponderar é outro.

A escolha do general Paulo Sérgio Nogueira para o Comando do Exército e o destaque dado pelo novo ministro da Defesa, Braga Netto, ao combate da pandemia de Covid-19 são derrotas simbólicas do presidente Bolsonaro, que teve de escolher os novos comandantes entre os mais antigos nas três Armas, e não entre aqueles que lhe são mais próximos.

O general Paulo Sérgio deu uma entrevista no fim de semana ao jornal “Correio Braziliense” destacando o sucesso que o Exército teve no combate à pandemia, ressaltando que o índice de letalidade na corporação é de 0,3%, enquanto no país está em 2,9%. E irritou Bolsonaro, que, no entanto, o nomeou. A escolha pela antiguidade é uma tradição das Forças Armadas, mas o presidente da República, como comandante em chefe, pode escolher entre os oficiais de quatro estrelas. Saindo da antiguidade, no entanto, estaria criando mais incômodos para os militares.

O almirante Garnier era o segundo em antiguidade, mas foi o escolhido. É considerado o mais habilidoso dos almirantes que estavam na lista e já era secretário-geral do Ministério da Defesa. Os dois são ligados ao demitido general Fernando Azevedo e Silva, antigo ministro da Defesa, e ao ex- comandante do Exército Edson Pujol.

Com suas atitudes erráticas e radicais, e um governo ineficiente, Bolsonaro vem perdendo também apoio nos setores que, não sendo radicais, o preferiram ao PT. O estopim dessa debandada foi a carta dos economistas e empresários deixando claro que expressiva parte da sociedade perdeu a paciência com seu governo ou com a impossibilidade de haver uma economia liberal com um presidente de visão retrógrada não apenas nos costumes, mas também na economia.

O presidente da Câmara, Arthur Lira, veio em seguida com o “sinal amarelo” de advertência, que jogou na mesa a carta do impeachment. Mas o Centrão ganhou um ministério que opera diretamente do Palácio do Planalto para o Congresso, com distribuição de cargos e verbas para obras. Acomodou-se, por enquanto.

Os próximos meses, no entanto, nos reservam muitos problemas, com a economia em frangalhos e a pandemia descontrolada. Um presidente destrambelhado e isolado nesse cenário é caminho aberto para crises permanentes. Ciro Gomes tem razão. Bolsonaro está mais perto do impeachment do que de uma quartelada.