Política

Em entrevista ao Arapuan, Doria chama Bolsonaro de 'genocida' e diz que não entra nas prévias para perder

Em entrevista ao Arapuan, Doria chama Bolsonaro de 'genocida' e diz que não entra nas prévias para perder

Em entrevista ao Arapuan Verdade, da Rádio Arapuan, nesta sexta-feira (22), o governador de São Paulo, João Doria, que cumpre agenda na Paraíba hoje e neste sábado (23), chamou Bolsonaro de genocida e disse que não está entrando nas prévias do PSDB para perder.

“Nós estamos fazendo as prévias do PSDB, que permite que os candidatos reconheçam a realidade do Brasil e o Brasil conheça os candidatos da legenda. Hoje e amanhã são dias que reservei para estar na Paraíba, um estado onde tenho muitos amigos, esse que eu já citei, e deixar um abraço também ao Aguinaldo Ribeiro e Daniella Ribeiro”, começou Doria.

O governador de São Paulo citou todos os deputados federais (Edna Henrique, Ruy Carneiro e Pedro Cunha Lima) e estaduais (Camila Toscano e Tovar Correia Lima) filiados ao PSDB.

Para Doria, o PSDB da Paraíba está em um processo “em construção” da unidade em torno da candidatura do partido à presidência, assim como outros estados. Ele falou ainda que respeita o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, seu adversário nas prévias, mas que não entrará para perder.

“Não entro em competição para perder, entro para ganhar. Respeito os adversários, venci as duas prévias que participei […]. Não estou entrando nessa prévia do PSDB nacional para perder. Venceremos, mas trataremos com muita elegância e com muita educação. E não trataremos como perdedores. Serão tratados como aliados”, respondeu.

Segundo a agenda do governador Doria, ele estará em Guarabira nesta sexta-feira (22) e em João Pessoa neste sábado (23). Clique aqui e confira na íntegra.

Bolsonaro

Questionado sobre o relatório da CPI da Pandemia e sobre a gestão do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), Doria disse que mesmo tendo sido extraída a palavra ‘genocida’ do relatório, o presidente cometeu crimes graves, afirmando que ele é sim, um genocida.

“Evidentemente, ele é um genocida, e responderá criminalmente por isso. Se não nos tribunais brasileiros, nos tribunais internacionais”, falou.