Política

Decano do STF | 'Não foi por invalidez', diz Celso de Mello sobre aposentadoria antecipada

Decano do STF | 'Não foi por invalidez', diz Celso de Mello sobre aposentadoria antecipada

O decano do Supremo Tribunal Federal (), ministro Celso de Mello, disse hoje ao Estadão/Broadcast que "razões de ordem médica" o levaram a antecipar sua aposentadoria para 13 de outubro.

Além da declaração, o decano emitiu ainda uma nota oficial para negar boatos. "Não, não foi por invalidez!!! Foi uma simples e voluntária aposentadoria, eis que possuo pouco mais de 52 anos de serviço público [Ministério Público paulista mais Supremo Tribunal Federal]", disse ele.

Celso de Mello . O ministro irá completar 75 anos, idade que torna obrigatória a aposentadoria no serviço público no Brasil.

Celso foi nomeado ao STF em 1989 pelo então presidente José Sarney (MDB) e é o decano da corte, o ministro há mais tempo em atividade. Com o seu afastamento, fica aberta a primeira vaga no tribunal que será preenchida por indicação do presidente (sem partido).

Bolsonaro terá direito a uma segunda indicação ao Supremo, com a aposentadoria de Marco Aurélio, em julho de 2021.

No Planalto, o ministro do STJ (Superior Tribunal de Justiça) João Otávio de Noronha costuma ser citado como o mais cotado para ser indicado à vaga no STF — outros cogitados são Humberto Martins, presidente do STJ, Luis Felipe Salomão, colega da mesma corte, André Mendonça, ministro da Justiça, e Jorge Oliveira, ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República.

Também são citados entre os cotados à vaga o ministro do TST (Tribunal Superior do Trabalho) Ives Gandra Filho e o juiz federal William Douglas.