Mundo

OMS desiste de publicar relatório preliminar de missão na China

OMS desiste de publicar relatório preliminar de missão na China

O comitê de especialistas da Organização Mundial da Saúde (OMS) que foi a Wuhan, na China, para investigar as origens da pandemia de covid-19 não divulgará o relatório preliminar como havia sido anunciado anteriormente, informou o Wall Street Journal nesta sexta-feira (5).

Segundo a publicação, apenas o documento final e revisado será publicado para tentar evitar o aumento ainda maior na tensão entre Estados Unidos e China no assunto. Enquanto os chineses se dizem "transparentes" e cobram que o início da crise sanitária também seja investigada nos EUA, Washington acusa Pequim de dificultar o trabalho dos especialistas e de esconder informações cruciais.

A decisão contraria o que o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, havia anunciado em 12 de fevereiro. Naquele dia, o chefe do órgão informou que um relatório interino seria divulgado "em breve" e a notícia também havia sido confirmada por alguns dos membros da equipe que foi a Wuhan.

No entanto, o WSJ entrevistou Peter Ben Embarek, líder da equipe na China, que confirmou que apenas o relatório final será publicado "nas próximas semanas e irá incluir as descobertas principais". Ainda conforme Embarek, um relatório preliminar "não teria todos os detalhes" e, dado o "enorme interesse" nesse documento, "um resumo não iria suprir a curiosidade dos leitores".

O jornal norte-americano ainda destaca que um grupo de 26 cientistas internacionais enviou uma carta à OMS pedindo que o relatório de Wuhan seja eliminado e um novo seja feito por considerarem que Pequim ocultou informações importantes sobre o início da pandemia. Isso porque eles consideram que deveriam ter sido ouvidas as pessoas que atuaram já nos primeiros casos, sejam médicos, enfermeiros ou pacientes que sobreviveram - algo que não ocorreu.

Veja também
  • OMS: Não há provas de que covid-19 se espalhou em Wuhan em 2019
    Internacional

    OMS: Não há provas de que covid-19 se espalhou em Wuhan em 2019

  • OMS levanta mais dúvidas do que certezas sobre origem da covid
    Saúde

    OMS levanta mais dúvidas do que certezas sobre origem da covid

  • O que se sabe e o que é falso 1 ano após a descoberta do coronavírus?
    Notícias

    O que se sabe e o que é falso 1 ano após a descoberta do coronavírus?

O comitê da OMS foi acompanhado por um grupo de cientistas chineses durante todas as investigações, o que mostra que Pequim tinha acesso a todas as informações que estavam sendo requisitadas e obtidas.

A cidade de Wuhan é considerada o "marco zero" global da pandemia de covid-19 por ser o local onde os primeiros casos de uma "pneumonia anormal" foram registrados em dezembro de 2019.

Muitos cientistas e governos acusam Pequim de ter demorado para notificar os casos e por ocultarem a gravidade da crise sanitária que já enfrentavam.

No entanto, os chineses dizem que foram apenas os primeiros a notificarem a doença e usam como base para a acusação o fato de que vários países europeus - e até mesmo os EUA - têm estudos dizendo que o coronavírus Sars-CoV-2 foi encontrado em amostras de sangue de pacientes e no esgoto entre os meses de setembro e dezembro de 2019.

  • coronavirus
  • relatoria wuhan
  • relatorio oms
  • oms china
  • investigação oms
  • oms wuhan

Compartilhe: