Mundo

Madri terá lockdown parcial para tentar frear avanço da covid

Madri terá lockdown parcial para tentar frear avanço da covid

A região metropolitana de Madri, incluindo a capital espanhola, deve adotar medidas de restrição de mobilidade para tentar frear o avanço da covid-19.

O acordo, ainda com divergências, entre os governos locais e nacional foi firmado nesta quarta-feira (30), enquanto o país já contabiliza 769.188 infectados e 37.791 mortes.

As novas restrições, que serão publicadas oficialmente nos próximos dias, afetarão todos os municípios espanhóis que apresentam cifras de 500 casos de coronavírus por 100 mil habitantes, com PCR (exame molecular) de positividade superior a 10% e ocupação da UTI que exceda 35%.

Esses três são os critérios estabelecidos pelo Ministério da Saúde espanhol para aplicar as novas limitações, nas quais, além de Madri, caberiam outras dez cidades espanholas, que também teriam a capacidade de hotéis e restaurantes restrita a 50%, além de antecipar seus horário de fechamento, confraternizações para seis pessoas e fechamento de parques e jardins, entre outras providências.

Em Madri, as fronteiras da cidade serão fechadas para visitantes e o deslocamento de moradores para fora do território só será permitido em casos excepcionais.

Os habitantes só poderão sair de casa para trabalhar, ir à escola, ao médico e fazer compras. Além disso, bares e restaurantes devem encerrar as atividades às 23h.

A proposta do Ministério da Saúde espanhol representa um novo capítulo no seu cabo de guerra com o governo regional de Madrid, presidido pela conservadora Isabel Díaz Ayuso, que considera que a decisão não tem "validade jurídica" e supõe de facto uma "intervenção" da autonomia madrilena.

Madrid continua a ser a região espanhola com maior número de novos positivos, com 4.810, dos quais 1.586 foram diagnosticados nas últimas 24 horas, de acordo com os dados oficiais mais recentes.

Em entrevista coletiva para explicar o acordo alcançado com os governos territoriais, o ministro da Saúde espanhol, o socialista Salvador Illa, garantiu que a situação em Madrid é "complexa e preocupante" e alertou novamente que semanas difíceis se aproximam.

Ele também alertou sobre a obrigação de toda a Espanha cumprir as novas restrições, já que "afeta a saúde pública".