Mundo

Itália vai reabrir casas noturnas no início de julho

Itália vai reabrir casas noturnas no início de julho

Com os números diários da pandemia de covid-19 em queda, a Itália vai revogar até 10 de julho uma das últimas restrições a atividades econômicas ainda vigentes no país: a proibição de funcionamento de casas noturnas.

Em entrevista à rádio RTL, o subsecretário do Ministério da Saúde, Andrea Costa, disse nesta terça-feira (22) que conversou com o ministro Roberto Speranza para indicar ainda nesta semana uma data para a reabertura das discotecas.

"Até os 10 primeiros dias de julho, as casas noturnas poderão reabrir", garantiu Costa, acrescentando que existe a possibilidade de exigir comprovante de vacinação, cura ou teste negativo para a covid-19 para entrar nesses estabelecimentos.

"Esse setor é o único que até hoje não tem uma perspectiva, e acredito que seja um dever da política dar uma resposta a isso", acrescentou o subsecretário.

Leia também
  • Itália anuncia reabertura gradual a partir do fim de abril
  • Malta vai pagar R$ 670 para turistas vacinados viajarem ao país
  • Com casos em queda, Itália reabre restaurantes e museus

As casas noturnas estão fechadas de forma ininterrupta na Itália desde 17 de agosto, quando os casos de coronavírus no país voltaram a subir depois de um período de queda no pós-lockdown.

Outros setores que sofreram com as restrições na pandemia, como restaurantes, lojas, museus, cinemas, teatros e academias, já voltaram a funcionar em toda a Itália, mas donos de casas noturnas ainda não têm uma data para programar a reabertura.

O breve período de relaxamento entre as primeira e segunda ondas da pandemia ficou marcado por recorrentes aglomerações em discotecas e bares, o que pode ter impulsionado o crescimento dos contágios a partir de agosto.

Agora, no entanto, a Itália conta com o fato de ter mais da metade de sua população ao menos parcialmente vacinada contra a covid-19, enquanto mais de 25% dos habitantes do país já concluíram o ciclo de imunização.

A Itália contabiliza 4,25 milhões de casos e 127,3 mil mortes na pandemia, porém registrou na última segunda-feira o menor número de contágios em um único dia (495) desde 18 de agosto do ano passado.

A melhora já fez o governo anunciar que não exigirá mais o uso de máscaras ao ar livre a partir de 28 de junho.