Mundo

Itália mantém escalada de aumento do contágio do novo coronavírus

Itália mantém escalada de aumento do contágio do novo coronavírus

A Itália registrou neste domingo (18) mais 11.705 casos de infecção pelo novo coronavírus, em mais um dia de alta, em meio a uma sequência de recorde no contágio do patógeno que provoca a covid-19, que levarão o governo do país a tornar mais rígidas as medidas de contenção da pandemia.

Hoje foi o quinto dia consecutivo em que a notificação de novos casos é a maior desde o início da pandemia. Na comparação com o boletim da véspera, foram quase 800 a mais. O total de casos desde 21 de fevereiro, com isso, saltou para 414.241.

Além disso, ao longo de ontem, mais uma vez foi alcançado o número de testes de diagnóstico para o novo coronavírus com cerca de 146,5 mil realizados.

O número de mortes notificadas ao longo deste sábado foi de 69, o que eleva o total para 36.543 em todo o território italiano.

Atualmente, há nos país 126.327 casos ativos de infecção pelo novo coronavírus, a maioria de pessoas que não apresentam sintomas. Em hospitais, há 7.881 pacientes tratados da Covid-19, sendo que 750 em unidades de terapia intensiva.

Novas medidas de restrição

Hoje, o primeiro-ministro da Itália, Giuseppe Conte, concederá entrevista coletiva, ainda sem horário definido, para anunciar as novas medidas de restrição que serão impostas pelo governo, para reduzir o contágio e tentar evitar a saturação do sistema de saúde.

Entre as prováveis mudanças deverá estar a autorização para que farmácias façam testes de diagnóstico.

Além disso, um dos pontos de maior debate foi fazer com que bares, restaurantes e estabelecimentos semelhantes, sigam fechando as portas às 0h durante a semana - caso não tenham serviço de mesa, às 21h.

Os governantes regionais, inclusive, estariam dispostos a obrigar o fechamento mais cedo, às 18h, nos locais que servem comida para os clientes, com objetivo de evitar aglomeração. Só poderia ser feito venda para entrega ou para que o consumidor leve para casa.

Atualmente, as regiões que apresentam mais casos são a Lombardia, que já foi o epicentro da pandemia da Covid-19 na primeira onda de propagação, Campânia e Vêneto.