Mundo

França multa 141 viajantes por desrespeitar confinamento

França multa 141 viajantes por desrespeitar confinamento

O governo da França afirmou nesta quarta-feira (5) que desde 24 de abril, quando entrou em vigor uma vigilância reforçada dos passageiros que chegam em voos procedentes de Brasil, Chile, Argentina, África do Sul e Índia, foram efetuados 2.500 controles domiciliares, que resultaram em 141 multas.

Aqueles que chegam destes cinco países devem apresentar um teste PCR negativo realizado não mais de 36 horas antes do embarque ou um realizado nas 72 horas anteriores acompanhado de um teste de antígenos realizado 24 horas antes.

Veja também

Ao chegar à França, os viajantes ainda são submetidos a outro teste e devem apresentar um endereço no qual se comprometem a respeitar uma quarentena de sete dias, após o que devem submeter-se a outro teste PCR. As multas em caso de infração destas regras variam entre €$ 1.000 (R$ 6.474,25) e €$ 1.500 (R$ 9.711,38).

O governo francês introduziu estas medidas para controlar a propagação no país de novas variantes do coronavírus e na quarta-feira antecipou que novos países serão acrescentados à lista, que serão especificados quando os procedimentos diplomáticos habituais estiverem concluídos.

A França registra atualmente uma média diária de cerca de 21.400 infecções, um número que representa uma queda de 26% em relação à semana passada, e tem 5.504 pacientes em leitos de UTI, uma diminuição de 7% em comparação com a semana passada.

O porta-voz do governo, Gabriel Attal, ressaltou após o Conselho de Ministros de hoje que existe uma "melhoria clara da situação sanitária" que permite avançar com o calendário de desconfinamento, mas que não se deve baixar a guarda.

"Se estamos hoje em condições de cogitar o levantamento gradual (de restrições) é porque os franceses fizeram muitos esforços", disse Attal em uma coletiva de imprensa, na qual também atribuiu a melhoria ao progresso da campanha de vacinação.

Até o momento, a França já aplicou a primeira dose da vacina em 24,5% da sua população total. Por sua parte, 10,3% dos habitantes já estão totalmente imunizados com as duas doses.