Mundo

Corrida com 172 participantes | Frio extremo mata 21 corredores durante ultramaratona de 100 km na China

Corrida com 172 participantes | Frio extremo mata 21 corredores durante ultramaratona de 100 km na China

Vinte e uma pessoas morreram durante uma ultramaratona de 100 km devido a condições extremas de clima enfrentadas ao longo do percurso, como granizo, chuva congelante e ventos fortes. A informação foi confirmada pela agência oficial de notícias do país, Xinhua.

O clima extremo atingiu um trecho de alta altitude da corrida realizada na Floresta de Pedra do Rio Amarelo, perto da cidade de Baiyin, no noroeste da província de Gansu, na tarde de ontem.

Entre os mortos estavam corredores de longa distância chineses de elite, informou a mídia local. A Xinhua informou que alguns dos corredores sofreram de hipotermia.

O prefeito da cidade de Baiyin, Zhang Xuchen, disse que por volta das 12h de ontem um trecho do acidentado percurso da ultramaratona - entre os quilômetros 20 e 31 - foi "repentinamente afetado por um clima desastroso".

"Em um curto período de tempo, granizo e chuva de gelo caíram repentinamente na área local, e houve fortes ventos. A temperatura caiu drasticamente", disse Zhang.

Um total de 172 pessoas participou da corrida. No domingo, 151 participantes foram confirmados em segurança. Um último corredor desaparecido foi encontrado morto às 9h30 de hoje

"Como organizadores do evento, sentimos um profundo sentimento de culpa e autocensura, expressamos nosso profundo luto pelas vítimas e profundas condolências a suas famílias e aos corredores feridos", disse Zhang, enquanto ele e outras autoridades locais se curvavam.

A corrida, apoiada pelo governo da cidade de Baiyin e pela Associação Atlética Chinesa, foi realizada por quatro anos consecutivos. A temperatura mínima registrada ontem na região, em baixa altitude, foi de 6° C, excluindo a sensação térmica.

Corrida em meio ao frio

A corrida de 100 km começou no sábado em uma área panorâmica em uma curva do Rio Amarelo conhecida por seus penhascos íngremes e colunas de rocha. A rota levaria os corredores por cânions e colinas em um planalto árido a uma altitude de mais de 1.000 metros.

A corrida começou às 9h (local) com os corredores vestidos com camisetas e shorts sob céu nublado, de acordo com fotos postadas nas redes sociais.

Por volta das 12h (horário local), uma parte montanhosa da corrida foi atingida por granizo, chuva congelante e vendavais que fizeram as temperaturas despencar, disseram autoridades de Baiyin em uma entrevista coletiva no domingo.

"A chuva estava ficando cada vez mais forte", disse Mao Shuzhi, que estava com cerca de 24 km de corrida na época.

Tremendo de frio, ela voltou antes da seção de alta altitude, devido a experiências anteriores ruins com hipotermia.

"No início, fiquei um pouco arrependido, pensando que poderia ter sido apenas uma chuva passageira, mas quando vi os fortes ventos e chuvas mais tarde pela janela do meu quarto de hotel, me senti muito feliz por ter tomado a decisão", disse Mao à Reuters.

Um grande esforço de resgate foi iniciado, com mais de 1.200 equipes de resgate despachadas, assistidas por drones de imagem térmica, detectores de radar e equipamentos de demolição, de acordo com a mídia estatal.

Um deslizamento de terra após o mau tempo também prejudicou o trabalho de resgate, disseram autoridades de Baiyin.

Comoção

As mortes geraram comoção nas redes sociais chinesas, com as críticas direcionadas principalmente ao governo de Baiyin e descontentamento com a falta de planejamento de contingência.

"Por que o governo não leu a previsão do tempo e não fez uma avaliação de risco?" um comentarista escreveu. "Esta é uma calamidade totalmente provocada pelo homem. Mesmo que o tempo seja inesperado, onde estavam os planos de contingência?"

Na entrevista coletiva, os oficiais de Baiyin se desculparam, dizendo que estavam tristes com a morte trágica dos corredores e que eles eram os culpados.

O governo provincial de Gansu montou uma equipe de investigação para investigar melhor as causas das mortes, informou o Diário do Povo.

*Com informações das agências AFP e Reuters.