Mundo

China escondeu informações sobre início da pandemia, diz ONG

China escondeu informações sobre início da pandemia, diz ONG

A China escondeu informações sobre os primeiros casos de covid-19 há um ano, o que favoreceu os contágios, e voltou a ocultar dados na recente missão de especialistas da Organização Mundial da Saúde (OMS) a Wuhan, denunciou nesta quinta-feira (18) o diretor executivo da ONG Human Rights Watch (HRW), Kenneth Roth.

"A China, claramente, quer evitar ser culpada como o lugar onde começou a pandemia", disse Roth, em entrevista coletiva organizada pela Associação de Correspondentes das Nações Unidas (Acanu).

O ativista norte-americano afirmou que o ocultamento durante a missão foi visto, por exemplo, quando Pequim "se recusou a compartilhar informação anônima sobre os primeiros casos", levando em conta que apenas metade dos 174 identificados inicialmente tinham relação com o mercado Huanan, em Wuhan.

Veja também
  • Pandemia diminui viagens durante Ano Novo Lunar na China
    Internacional

    Pandemia diminui viagens durante Ano Novo Lunar na China

  • Hackers atacam sites da junta militar de Mianmar
    Internacional

    Hackers atacam sites da junta militar de Mianmar

  • Covid: seis pessoas são presas no México por venderem vacina falsa 
    Internacional

    Covid: seis pessoas são presas no México por venderem vacina falsa

"Houve em Wuhan 92 pacientes internados com sintomas similares aos da covid-19 em outubro e novembro de 2019, mas a China só deu à OMS testes de anticorpos muito mais tarde, não exames ou análises de sangue, provas que teriam mostrado que o surto estava presente um ou dois meses antes da sua admissão", argumentou.

Além disso, "Pequim continua a insistir na teoria maluca de que a covid-19 poderia ter tido origem no contato com alimentos congelados, apesar de não haver provas de que alguém em qualquer parte do mundo tenha sido infectado desta forma", disse o chefe da HRW.

Roth criticou também a recente missão de especialistas da OMS e de outras organizações parceiras por "dar credibilidade a essa teoria dizendo que estão investigando, dando uma injecção de propaganda a Pequim em um momento em que deveríamos nos concentrar melhor no que eles estão escondendo".

Leia também
  • Japão inicia campanha nacional de vacinação contra covid-19
  • Israel cria crachá e sistema de cores para identificar quem está vacinado
  • Nova Zelândia controla covid-19 e suspende restrições em Auckland

O ativista destacou que na missão "não havia nenhum membro de alto cargo da OMS" e denunciou uma "cumplicidade institucional" com a China por "se recusar a dizer algo crítico contra ela" e ajudar nas primeiras semanas do ano passado a rejeitar a possibilidade de transmissão do vírus de humano para humano.

"Em três semanas, em janeiro de 2020, o governo chinês suprimiu informações sobre a transmissão entre humanos, fingindo que todos os casos estavam relacionados com o mercado em Wuhan", enquanto milhões de pessoas deixaram a cidade, milhares delas para o exterior, recordou Roth.

'Supressão de informação é ruim'

"Tudo isto mostra que a supressão da informação é ruim para a saúde pública e para nos permitir saber o que aconteceu, algo que é fundamental para evitar uma próxima pandemia de covid-22 ou covid-23", declarou.

O representante da HRW admitiu que não existem provas de que o vírus causador da covid-19 tenha nascido em laboratório, mas que a falta de transparência chinesa ajuda a alimentar tais suspeitas.

"Quanto mais a China esconde, mais credibilidade dá a estas teorias, pois as pessoas se perguntam o que é que está sendo escondido. Mas isso pode significar que eles apenas querem evitar ser apontados como o local físico onde outra doença infecciosa começou, como aconteceu há quase 20 anos com a Sars", comentou o ativista americano.

  • covid-19
  • missão
  • contágios
  • china
  • wuhan
  • especialistas
  • hrw
  • dados
  • coronavirus
  • pandemia

Compartilhe: