Mundo

Biden pressionará Trump sobre nomeação para Suprema Corte

Biden pressionará Trump sobre nomeação para Suprema Corte

O candidato democrata à presidência, Joe Biden, planeja neste domingo (20) abordar o plano de seu rival, o presidente Donald Trump, de nomear um terceiro juiz para a Suprema Corte, consolidando maioria conservadora de 6-3, e um segundo senador republicano se opôs à ideia.

O plano de Trump para preencher rapidamente a vaga criada pela morte da juíza Ruth Bader Ginsburg na sexta-feira (18) atraiu críticas imediatas dos democratas, que observaram que em 2016 o líder da maioria republicana no Senado, Mitch McConnell, bloqueou a votação de um nomeado democrata, dizendo que não era apropriado fazer aquilo em ano eleitoral.

A senadora republicana Lisa Murkowski disse neste domingo que se opõe à medida, tornando-se o segundo membro da maioria de 53-47 de McConnell a fazê-lo, depois de Susan Collins no sábado.

"Não apoiei a aceitação de uma indicação oito meses antes da eleição de 2016 para preencher a vaga criada pela passagem do juiz Scalia", disse Murkowski em comunicado, segundo vários meios de comunicação dos EUA. "Agora estamos ainda mais perto da eleição de 2020 - menos de dois meses antes - e acredito que o mesmo padrão deve ser aplicado".

O juiz Antonin Scalia, amigo próximo de Ginsburg, morreu em fevereiro de 2016, e McConnell bloqueou a votação do candidato do presidente democrata Barack Obama à Corte, Merrick Garland.

Trump disse no sábado que fará sua indicação esta semana e nomeou Amy Coney Barrett do 7º Circuito de Chicago e Barbara Lagoa do 11º Circuito de Atlanta como possíveis candidatas para preencher a vaga criada pela morte de sexta-feira da ícone liberal Ruth Bader Ginsburg.

Disputa

A morte de Ginsburg acirrou a disputa eleitoral de novembro, energizando a base conservadora de Trump - ansiosa para ver o tribunal anular a decisão Roe v. Wade de 1973 que legalizou o aborto em todo o país - e apresentando novas complicações na batalha pelo controle do Senado dos EUA.

"Eu estarei apresentando uma nomeada na próxima semana. Será uma mulher", disse Trump em comício de campanha em Fayetteville, Carolina do Norte, onde os apoiadores gritavam "ocupem esse lugar". "Eu acho que deveria ser uma mulher porque, na verdade, gosto muito mais das mulheres do que dos homens."

Trump já nomeou dois juízes: Neil Gorsuch em 2017 e Brett Kavanaugh em 2018. Kavanaugh foi confirmado por pouco depois de um acalorado processo de confirmação em que negou as acusações de uma professora universitária da Califórnia, Christine Blasey Ford, de que ele a havia agredido sexualmente em 1982 quando os dois eram estudantes do ensino médio em Maryland.

Os republicanos arriscam caso Trump substitua Ginsburg, caso os democratas ganhem a eleição de novembro, com alguns ativistas de esquerda sugerindo, que o número de juízes na corte deveria ser expandido para conter os nomeados de Trump.

"Deixe-me ser claro: se o líder McConnell e os republicanos do Senado avançarem com isso, nada estará fora da mesa no próximo ano", disse o líder da minoria no Senado, Chuck Schumer, a colegas democratas em uma teleconferência no sábado, de acordo com uma fonte que ouviu o ligar.

Copyright © Thomson Reuters.