Mundo

Aéreas pedem redução de restrições para transportar vacinas

Aéreas pedem redução de restrições para transportar vacinas

As companhias aéreas enfrentam a maior operação logística da história com a transferência da vacina contra o coronavírus para 8 bilhões de pessoas em mais de 200 países e territórios, mas precisam restaurar suas linhas com urgência para garantir o sucesso da operação.

Leia também
  • Proibição a voos do Reino Unido para o Brasil começa nesta sexta

O vice-presidente regional para a Europa da Iata (Associação Internacional de Transporte Aéreo), Rafael Schvartzman, explicou à Efe que o setor de aviação está familiarizado com o transporte de medicamentos e vacinas.

Ele acrescenta que muitas das restrições que têm sido postas em prática nestes tempos de pandemia "devem ser revistas", porque é necessário agilizar o transporte das vacinas e fazê-lo da forma mais eficaz.

O setor já estabeleceu protocolos para manter as temperaturas controladas, não só no transporte aéreo mas também na logística terrestre, aos quais se juntam agora recomendações da Iata sobre requisitos adicionais e pessoal qualificado necessário, entre outros.

O que se sabe sobre a mutação do vírus que levou a novo lockdown na Inglaterra

O transporte aéreo, destaca ele, é a única forma de chegar a mais de 200 países e territórios no mundo. Nos países industrializados, o transporte terrestre pode ser uma alternativa, embora com limitações.

Desafio

Fontes da indústria indicam que nos próximos meses serão distribuídas cerca de 15 bilhões de vacinas em todo o mundo e prevê-se que a distribuição entre os países seja feita principalmente por via aérea.

Na Espanha, os quatro aeroportos que movimentam mais carga são os de Madri, Barcelona, ​​Saragoça e Vitória, que dispõem de infra-estruturas de apoio à indústria farmacêutica.

Veja também
  • Fase vermelha volta a valer em SP desta sexta (25) até domingo (27)
    São Paulo

    Fase vermelha volta a valer em SP desta sexta (25) até domingo (27)

  • 'Saúde e economia andam juntas', diz Bolsonaro em fala de Natal
    Brasil

    'Saúde e economia andam juntas', diz Bolsonaro em fala de Natal

  • Jovens são as maiores vítimas da alta do desemprego no Brasil
    Brasil

    Jovens são as maiores vítimas da alta do desemprego no Brasil

As vacinas devem ser mantidas em temperaturas muito baixas: a Pfizer deve ser congelada (-70 graus) e as outras precisam ser dispensadas a uma temperatura constante de +2 a +8 graus.

Em escala global, de acordo com dados da DHL, uma das líderes em logística, os fornecedores enfrentam o desafio de estabelecer rapidamente uma cadeia de suprimentos médicos para entregar as doses da vacina em todo o mundo, também em regiões com infraestruturas logísticas menos desenvolvidos, onde vivem cerca de 3 bilhões de pessoas.

Para fornecer cobertura global nos próximos dois anos, serão necessários até 200.000 carregadores, bem como cerca de 15.000 voos em várias configurações da cadeia de suprimentos, observa a DHL.

Colaboração

Na verdade, a Comissão Europeia (CE) espera que com a campanha de vacinação contra a covid-19, o tráfego aéreo recupere em 2021 até 50% em comparação com os níveis de 2019, razão pela qual obrigou novamente as companhias aéreas a reservar slots (vagas nos aeroportos) no ano que vem.

Antes da pandemia, as empresas tinham a obrigação de reservar 80% de seus slots, por isso durante as primeiras semanas do vírus algumas preferiam que seus aviões voassem praticamente vazios.

Para evitar voos fantasmas, Bruxelas suspendeu essa exigência em março e estendeu a exceção até outubro. Porém, com a primeira vacina já aprovada para comercialização na Europa (a da Pfizer-BioNTech), revisou sua decisão e decidiu que as companhias aéreas vão recuperar slots.

Nos EUA, poucas horas depois que a Federal Air Administration (FAA) autorizou a vacina desenvolvida pela Pfizer dos EUA e pela BioNTech da Alemanha, os gigantes da logística e transportadoras de passageiros dos EUA começaram a organizar a distribuição em todo o país.

Lá, a UPS e a FedEx são as empresas de transporte que estão trabalhando com a administração dos EUA para a distribuição de vacinas, mas usam voos comerciais regularmente para apoiá-los se o número de remessas for muito alto.

Na Espanha, a Air Europa e a Iberia asseguram que têm a sua logística preparada para transportar as vacinas com plena garantia nas condições de temperatura que requerem.

A Air Europa diz que reforçou a sua logística com a incorporação de contentores ativos para responder às necessidades da indústria farmacêutica e reviu os seus procedimentos e instalações para ter uma rede que garanta o armazenamento e transporte com controlo activo da temperatura em toda a cadeia de abastecimento. frio.

Iberia recorda que "há anos" dispõe de instalações especializadas no transporte de produtos farmacêuticos que requeiram condições de frio muito específicas, tanto nos seus terminais de carga como nos caminhões que transportam as mercadorias para os aviões, e esclarece que atende a todas as exigências das empresas farmacêuticas.

  • transferência
  • vacina
  • companhias aéreas
  • logística
  • países
  • transporte
  • vacinas
  • pessoas
  • operação
  • territórios

Compartilhe: