Geral

Violência no Rio de Janeiro | Corpos de vítimas da operação do Jacarezinho são enterrados

Violência no Rio de Janeiro | Corpos de vítimas da operação do Jacarezinho são enterrados

As vítimas da operação que a Polícia Civil do Rio fez na quinta-feira (6) no Jacarezinho começaram a ser enterradas na tarde de hoje. Um dos primeiros corpos a serem sepultados foi de Guilherme de Aquino Simões, que teve o funeral realizado às 13h30.

A filha de Guilherme estava inconsolável com a perda do pai. A menina gritou "por que vocês estão levando ele?" na hora em que o caixão foi fechado. A família não quis falar com a imprensa.

Na manhã de hoje, dois dias após o início da ação no Jacarezinho, ainda havia famílias tentando a liberação dos corpos de seus parentes no IML (Instituto Médico Legal).

Também hoje, o número total de vítimas da operação subiu de 28 para 29. Dente os mortos, está o policial civil André Mello Frias, 48, que foi sepultado ontem no Cemitério Jardim da Saudade, em Sulacap, na zona oeste do Rio.

Esposa de vítima passa mal

No velório de Francisco Fabio Dias Araújo Chaves, 26, também houve muita comoção dos familiares. Sua esposa passou mal e teve que ser socorrida pelos parentes em uma das capelas, também do Cemitério de Inhaúma.

Um primo de Francisco reclamou de como o corpo dele foi tratado no IML (Instituto Médico Legal).

"Estavam liberando os corpos com as pessoas roxas, porque não tinha geladeira para colocá-los. Os corpos estavam um em cima do outro, esculachados. Só depois que a gente pagou é que o colocaram na geladeira", reclama o familiar, que prefere não se identificar.

1 - Rai Aquino / UOL - Rai Aquino / UOL
Velório de Francisco Fabio Dias Araújo Chaves
Imagem: Rai Aquino / UOL

O primo também afirmou que Francisco foi executado.

"Ele estava em uma casa preso, querendo se entregar. Tinha tomado um tiro no braço e estava com a perna machucada. Muitas pessoas viram não só ele, mas muitos entrando no caveirão vivo", disse.

Além da esposa, Francisco deixa duas filhas, uma de quatro e outra de sete anos.

'Mataram meu filho com facão'

O sepultamento do corpo de Jhonatan Araujo da Silva, 18, foi marcado por muitas músicas gospel. Durante o velório, entre uma declaração e outra de amigos e familiares, os parentes se mostravam revoltados com a situação.

"É uma dor que eu não imaginava sentir. Meu primeiro filho. Não sei nem como estou conseguindo ficar em pé. Não consigo nem falar nada. Fizeram uma covardia com o meu filho. Não precisava disso, era só prender. Mataram meu filho com facão", lamentou a mãe de Jhonatan, aos prantos.

De acordo com a família, Jonathan não era ligado ao tráfico de drogas do Jacarezinho e iria de alistar nas Forças Armadas. Segundo eles, o rapaz fazia bicos de entregador de compras e foi morto a caminho da casa da namorada.

"Ele saiu sem documento nem nada. Eu falava para ele andar com documento, mas quem vai imaginar? Sempre que tinha operação, pedia para ele ficar em casa para me confortar, mas nesse dia não teve como", contou a mãe.

Além de Guilherme, Francisco e Jhonatan, os corpos de Omar Ferreira da Silva, 20, e John Jeferson Mendes Rufino da Silva, 30, também foram sepultados hoje no Cemitério de Inhaúma.

Operação mais letal

A operação no Jacarezinho foi a mais letal da história do Rio de Janeiro.

O secretário de Polícia Civil do estado, Allan Turnowski, disse ontem que os mortos na ação eram suspeitos de envolvimento com o tráfico da região, mas não apresentou provas.

Familiares denunciam que as vítimas foram executadas. Representantes de entidades que defendem os direitos humanos cobram uma apuração rigorosa da ação, dentre eles, o Alto Comissariado da ONU para Direitos Humanos.

O governador Cláudio Castro (PSC) defendeu a operação, dizendo que "a reação dos bandidos foi a mais brutal registrada nos últimos tempos".

Mais de 48 horas depois do início da ação, a Polícia Civil ainda não divulgou a identidade dos mortos. A Comissão de Direitos Humanos da OAB-RJ (Ordem dos Advogados do Brasil no Rio de Janeiro) compilou os nomes e as idades de algumas da vítimas.