Geral

Thiago de Souza, o Thiagson | Doutorando em funk na USP: 'Críticas ao ritmo são racistas e classistas'

Thiago de Souza, o Thiagson | Doutorando em funk na USP: 'Críticas ao ritmo são racistas e classistas'

Doutorando em funk na USP: 'Críticas ao ritmo são racistas e classistas'

Thiagson
Thiagson
Reprodução/Instagram

Mari Monts

De Splash, em São Paulo

21/03/2021 04h00

Thiago de Souza, o Thiagson, é formado em Música pela Unesp e hoje faz um doutorado na USP sobre funk, o gênero menos aceito nos meios acadêmicos, de acordo com ele.

E, logo de cara, ele cita opiniões como a do produtor Rick Bonadio, que disse que "precisamos exportar música de qualidade, e não esse 'fica de quatro'", ao fazer referência à apresentação no Grammy de Cardi B ao trazer a versão "WAP" em funk.

Continua depois da publicidade
Esse pensamento de que funk é lixo é sobretudo racista e classista, porque é uma produção de pessoas pretas, de favela.
Marlene Bergamo - Marlene Bergamo
Baile funk DZ7, em rua da favela de Paraisópolis, na zona sul de São Paulo
Imagem: Marlene Bergamo

Mas Thiagson explica que isso é só um sintoma de algo que é aprendido nos cursos universitários de Música: "É esperado que um profissional dessa área fale mal do funk, é um senso comum".

E claro que o buraco é mais embaixo:

O que acontece na área de Música é que ninguém tá nem aí para o Funk. O ambiente acadêmico é muito conservador. As pessoas sentem-se confortáveis em deslegitimar o funk.
A única coisa digna de ser ensinada é música de concerto. É historicamente unânime que Bach é um deus, Mozart... Mas, do ponto de vista rítmico, eles são bem pobres.
Continua depois da publicidade

E para surpreender quem acha que funk é lixo, Thiagson já explicou até que o hino da vacina "Bum Bum Tam Tam", do MC Fióti, é mais complexo que o "todo poderoso" Bach. Ou seja, é sofisticado sim!

Além da formação tradicional e conservadora, também existe o preconceito com questões de raça, classe e gênero no ambiente da acadêmia.

Thiagson fala do funk como fenômeno social:

É um fenômeno cultural extremamente amplo. Ele é uma realidade, é digno de ser estudado. A qualidade musical do funk tem a ver com envolver as pessoas, é um gênero musical social.

Ele diz que conhece muita gente que faz Funk como forma de superar a dureza da vida, ascender socialmente e evitar caminhos que podem ser prejudiciais. E o funk salva muito.

Continua depois da publicidade

Antepassados vivos

Muita gente não imagina, mas Thiagson conta que há referências africanas no funk feito nas periferias. Esse, aliás, é um dos temas de sua pesquisa.

Tem um funk que chama "Amiga Que é Amiga", é parecido com a percussão de iorubá, com a música do oeste africano, que é exatamente de onde os escravizados vieram para cá.

Bem mais complexo só que "fica de quatro", né, Rick Bonadio?