Geral

Texto chegou ao Congresso | Governo quer tirar R$ 1,4 bilhão da Educação para destinar a obras

Texto chegou ao Congresso | Governo quer tirar R$ 1,4 bilhão da Educação para destinar a obras

Em meio aos desgastes da equipe econômica e da ala política do governo por conta da repercussão negativa das ideias de financiamento para o programa de renda do presidente , o governo finalmente tirou da gaveta o PLN, projeto de lei do Congresso Nacional para solicitar remanejamento do orçamento. A pauta era um pedido de aliados políticos que já se arrastava há meses.

Nesta quinta-feira, o texto finalmente chegou ao Congresso. Na mensagem, o governo pede para remanejar R$ 6,1 bilhões do orçamento. Desse total, R$ 2,3 bilhões serão destinados ao Ministério do Desenvolvimento Regional, R$ 1 bilhão para o Ministério da Infraestrutura e R$ R$ 243 milhões para o Ministério da Saúde.

Pela proposta enviada ao Legislativo, o orçamento do Ministério da Educação será reduzido R$ 1,4 bilhão. A pasta é a que sofrerá o maior corte de verbas.

A negociação do remanejamento consumiu bastante energia da articulação política. A ideia de retirar recursos da educação era vista com receio por parte do governo, que temia repercussão negativa com a medida.

Auxiliares do governo, no entanto, dizem que há na pasta recursos que deixaram de ser utilizados por conta da pandemia, como verbas destinadas para o transporte escolar.

Mais perdedores

Além da Educação, o Ministério da Economia, comandado por Paulo Guedes, abrirá mão de R$ 615 milhões. O Ministério da Defesa pode perder R$ 330 milhões e o Ministério da Justiça terá que abrir mão de outros R$ 300 milhões.

A destinação de recursos para os ministérios do Desenvolvimento Regional, comandado por Rogério Marinho, e da Infraestrutura, chefiado por Tarcísio de Freitas, faz parte dos planos do governo para terminar obras públicas.

Com isso, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) manterá a agenda de viagens para inaugurar empreendimentos, sobretudo no Nordeste.