Geral

Pandemia no país | Brasil chega a 138.159 mortes por covid, com 809 óbitos registrados em 24 horas

Pandemia no país | Brasil chega a 138.159 mortes por covid, com 809 óbitos registrados em 24 horas

Com 809 novas mortes registradas nas últimas 24 horas, o Brasil chegou a 138.159 óbitos causados pelo novo coronavírus, segundo balanço do consórcio de veículos do qual o UOL faz parte. O levantamento também aponta 35.252 novos infectados em relação a ontem, totalizando 4.595.335 casos confirmados.

No mundo, apenas Estados Unidos e Índia registraram mais infectados do que o Brasil: 6,8 milhões e 5,5 milhões, respectivamente, de acordo com balanço da Universidade Johns Hopkins.

A média móvel de mortes, calculada com base nos números de mortos dos últimos sete dias, é de 707, o que representa estabilidade em relação aos últimos 14 dias (+4%).

Números da Saúde

Pelos dados do Ministério da Saúde, o Brasil registrou 836 novas mortes nas últimas 24 horas, totalizando 138.108 óbitos pela covid-19. O país ainda tem 4.591.604 casos, com mais 33.536 diagnósticos positivos confirmados de ontem para hoje.

O número de pacientes recuperados é de 3.945.627, ainda segundo o governo federal. Outros 507.869 seguem em acompanhamento.

Bolsonaro e a covid na ONU

O presidente (sem partido) repetiu hoje, em discurso de abertura da 75ª Assembleia Geral da ONU (Organização das Nações Unidas), pela condução da pandemia.

Na sua avaliação, o governo federal evitou um "mal maior" com as medidas econômicas, a exemplo da criação do auxílio emergencial. Bolsonaro lamentou as mortes, mas adotou um discurso que o acompanha desde o início da pandemia: a de que era preciso ter o mesmo cuidado com o vírus e a economia.

Ele ainda fez críticas à imprensa por sua cobertura sobre a pandemia.

Como aconteceu em grande parte do mundo, parcela da imprensa brasileira também politizou o vírus, disseminando o pânico entre a população. Sob o lema 'fique em casa' e 'a economia a gente vê depois', quase trouxeram o caos social ao país.

Alesp sem sessões presenciais

A Justiça de São Paulo (Assembleia Legislativa de São Paulo) em função da pandemia. A decisão é do juiz Valentino Aparecido de Andrade, da 3ª Vara do Juizado Especial da Fazenda Pública da Capital, e foi assinada no último dia 18. A ação foi requerida pela deputada Mônica Seixas (PSOL), da Bancada Ativista.

A proibição vem em meio à contaminação . Conforme reportagem do UOL publicada no último dia 5, Mônica acusou deputados alinhados a Bolsonaro de não usarem máscara em plenário, expondo outros colegas na Alesp. Os parlamentares negam as acusações.

A decisão cita a posse do ministro Luiz Fux como presidente do (Superior Tribunal Federal), que ocorreu de forma presencial. Após o evento, autoridades como o próprio Fux, o presidente da Câmara, (DEM-RJ), e o procurador-geral da República, , entre outros, foram diagnosticados com a covid-19.

Veículos se unem pela informação

Em resposta à decisão do governo de restringir o acesso a dados sobre a pandemia de covid-19, os veículos de comunicação UOL, O Estado de S. Paulo, Folha de S.Paulo, O Globo, G1 e Extra formaram um consórcio para trabalhar de forma colaborativa para buscar as informações necessárias diretamente nas secretarias estaduais de Saúde das 27 unidades da Federação.

O governo federal, por meio do Ministério da Saúde, deveria ser a fonte natural desses números, mas atitudes recentes de autoridades e do próprio presidente colocam em dúvida a disponibilidade dos dados e sua precisão.