Geral

namorado vê homofobia | Jovem é esfaqueado no metrô de São Paulo após discussão

namorado vê homofobia | Jovem é esfaqueado no metrô de São Paulo após discussão

Um jovem foi esfaqueado em São Paulo dentro da estação Paulista da Linha 4-Amarela do metrô, na noite do último domingo (6), após uma discussão com um homem e uma mulher. O caso foi registrado no 78º DP no Jardins como lesão corporal e está sendo investigado. Tiago Moraes, namorado da vítima, diz que o ataque pode ter sido motivado também por homofobia.

"Meu namorado quase perde a vida, quase é mais uma vítima de homofobia e isso não vai ficar assim. Se a gente não atrás, quem vai?", disse Tiago em um vídeo publicado no seu perfil do Instagram.

Segundo a ocorrência registrada pela concessionária ViaQuatro, os seguranças da estação foram acionados por volta das 21h40 do dia 6 "após um desentendimento entre dois homens, que se iniciou nas escadas de transferência da estação Consolação com a estação Paulista, motivado pelo desligamento indevido de uma escada rolante".

"Após discussões, um homem, que estava em posse de uma arma branca, feriu o jovem. A Concessionária prontamente encaminhou a vítima ao Hospital das Clínicas e o agressor ao 78º DP (nos Jardins) para registro do Boletim de Ocorrência", diz a nota enviada pela assessoria da ViaQuatro ao UOL.

Laelson foi atingido no peito e na coxa. Ele ainda está internado, mas não corre perigo. Em seu perfil no Instagram, ele disse estar bem. Segundo Tiago, ele e namorado retornavam para o bairro de Pirituba depois de um dia de passeios pela avenida Paulista.

No Instagram, Tiago agradeceu o apoio que recebeu das pessoas após contar sobre o ocorrido. "Estou bem cansado, mas estou grato pela vida do meu namorado. Que ele está vivo. (...) O que ele fez vai ser pago, mas eu fico até sem palavras para agradecer", disse o operador de telemarketing em vídeos postados no Stories.

"Fiquei muito traumatizado. É um susto que a gente vivencia. Mas sou muito grato a Deus e a vocês que me ajudaram a compartilhar", completou ele.

Ao UOL, a Secretaria de Segurança Pública (SSP) de São Paulo disse que o caso foi registrado inicialmente como lesão corporal, mas que "a natureza da ocorrência poderá ser modificada, caso novas informações e/ou evidências sejam constatadas no curso das investigações".

A SSP informou ainda que equipes estão realizando diligências em busca de testemunhas e elementos que contribuam para o esclarecimento dos fatos e que o jovem "que estava em atendimento na ocasião do registro do boletim será ouvido tão logo tenha alta médica".