Geral

Keli Adriane Aniecevski | Quem era a professora morta no ataque com facão a creche de SC

Keli Adriane Aniecevski | Quem era a professora morta no ataque com facão a creche de SC

A professora Keli Adriane Aniecevski, 30, é uma das vítimas do ataque a uma creche no município de Saudades (SC), na manhã de hoje. Além dela, três crianças e mais uma mulher morreram após um homem invadir o CEI (Centro de Educação Infantil) Pró-Infância Aquarela e desferir golpes com um facão.

De acordo com a Polícia Civil, a professora estava na entrada da creche e foi a primeira a ser atacado pelo autor do atentado. Ela ainda tentou correr, mas foi alcançada pelo homem e morreu na escola. A identidade da professora foi confirmada por Luiz Fernando Kreutz , assessor jurídico da prefeitura de Descanso.

Após atacá-la, o suspeito teria entrado em uma sala de aula e desferido os golpes em crianças. No local havia quatro alunos e uma funcionária da escola na sala.

"Ele começou a atacar a professora, que correu para uma sala onde tinham crianças. Lá nessa sala, ele agrediu outras pessoas", disse o delegado Jerônimo Marçal, em entrevista à Rádio Vale FM.

Em entrevista ao site NSC Total, a prima da educadora Cristiane Aniecevski Krindges afirmou que Keli trabalhava na unidade há cerca de cinco anos.

Era uma pessoa muito querida. Nós estamos em choque com o que aconteceu. Disseram para nós que ela tentou defender as crianças.
Cristiane Aniecevski
Krindges, prima da vítima

Autor tentou se matar, mas foi impedido, diz PM

Por volta das 10h, um jovem de 18 anos armado com um facão invadiu a creche e desferiu golpes em crianças e adultos dentro do estabelecimento de ensino, voltado para crianças de até 3 anos, segundo a Polícia Militar.

Ainda segundo a PM, o rapaz tentou se matar após o ataque, mas foi interrompido por populares e está internado em estado grave. Ele foi levado ao Hospital Beneficente de Pinhalzinho, cidade vizinha.

De acordo com a investigação preliminar, o suspeito chegou a creche em uma bicicleta e não tem problemas mentais aparentes nem passagens pela polícia.

Ainda segundo a investigação preliminar, a tragédia não foi maior porque as professoras da instituição perceberam o atentado e trancaram as outras salas que tinham aulas no momento.

A governadora em exercício de Santa Catarina, Daniela Reinehr (sem partido), decretou luto de 3 dias devido à tragédia.