Geral

Já ouviu falar? | Freedom Phone: celular feito para conservadores não parece tão livre assim

Já ouviu falar? | Freedom Phone: celular feito para conservadores não parece tão livre assim

Erik Finman, um empresário norte-americano que afirma ter ficado milionário investindo em Bitcoins, anunciou recentemente o lançamento de um celular destinado especificamente a eleitores conservadores dos EUA: o Freedom Phone.

O aparelho, apresentado na semana passada, tem como proposta oferecer uma experiência livre da moderação de conteúdo que Google e Apple fazem em celulares com Android e iOS, respectivamente. Vendido por US$ 500 (mais de R$ 2.600), porém, o projeto é, no mínimo, controverso.

A página oficial do celular não descreve todas as especificações técnicas, como o modelo do processador ou a quantidade de memória, por exemplo. Além disso, a fabricante é a chinesa Umidigi, que vende aparelhos equivalentes por metade do preço.

Há ainda sinais de que o sistema "livre de censura", como os apoiadores o descrevem, pode dar brecha para a instalação de vírus, incluindo aplicativos espiões.

O Freedom Phone apela para apoiadores do ex-presidente norte-americano Donald Trump, que foi expulso do Facebook, Twitter e YouTube no ano passado após compartilhar teorias da conspiração sobre covid-19, notícias falsas sobre o processo eleitoral dos EUA e estimular a invasão de seus apoiadores ao Capitólio, sede do Congresso americano.

Android sem Google (e sem segurança)

O diferencial do Freedom Phone é seu sistema operacional, que os criadores chamam de "FreedomOS", supostamente sem conexões com os servidores do Google, que é responsável pelo Android. O sistema inclui uma loja alternativa de aplicativos, a "PatriApp Store".

A página oficial do projeto diz que o FreedomOS pode proteger o usuário de ser "censurado", mas não detalha como. O que se sabe é que ele vem com apps de grupos de extrema-direita que foram expulsos da Play Store, a loja de apps oficial do Android, como a rede social Parler.

Os ícones do FreedomOS sugerem que o sistema é uma versão modificada do LineageOS — que, por sua vez, já é uma versão repaginada do código aberto do Android.

freedomos - Reprodução/Anna Khait - Reprodução/Anna Khait
Freedom Phone (à esquerda) tem ícones idênticos ao do LineageOS (à direita)
Imagem: Reprodução/Anna Khait

A PatriApp Store também não parece ser novidade: o layout indica que se trata de uma versão customizada da Aurora Store, uma espécie de loja de "fachada" que permite baixar aplicativos da Play Store sem ter uma conta do Google — e que também está disponível para Android.

Por não ter conexão com o Google, apps que foram banidos da Play Store são bem-vindos na PatriApp Store. Por ela também dá para baixar as redes sociais mais conhecidas, como Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.

O problema com lojas desse tipo é que elas não são capazes de barrar a entrada de vírus no celular. Embora a Play Store não seja perfeita e também já tenha sido flagrada permitindo o download de apps maliciosos, a inteligência artificial do Google ainda é mais eficaz do que filtro nenhum.

O site oficial do Freedom Phone não lista mais nenhum recurso de segurança além de uma ferramenta chamada "Trust", que "ajuda a entender a segurança do seu aparelho e avisa de possíveis ameaças". No LineageOS, um recurso com esse mesmo nome funciona como um antivírus rudimentar: permite criptografar dados e avisa quando há atualizações do sistema para baixar.

Made in China

Apesar de usar a bandeira norte-americana em toda a sua comunicação visual e se descrever como um celular "patriota", o Freedom Phone é fabricado por uma empresa chinesa. A responsável é a Umidigi, que também produz celulares comuns com Android e Play Store.

O visual do Freedom Phone, aliás, é muito parecido com o do A9 Pro, da Umidigi, incluindo a suposta câmera de 48 MP que aparece em imagens divulgadas por apoiadores do projeto. A tela também é do mesmo tamanho (pouco mais de 6 polegadas) e a bateria tem a mesma potência descrita no site do celular (4.150 mAh).

O A9 Pro da Umidigi pode ser comprado na internet pelo equivalente a US$ 120 (cerca de R$ 630) — quase um quarto do valor total do Freedom Phone, anunciado por US$ 500.

umidigi - Reprodução/Umidigi/Freedom Phone - Reprodução/Umidigi/Freedom Phone
Umidigi A9 Pro (à esq.) e Freedom Phone (à dir.): o mesmo celular?
Imagem: Reprodução/Umidigi/Freedom Phone

Vale lembrar que a China é constante alvo de ataques por parte de políticos e ativistas de extrema-direita. Trump chegou a se referir ao coronavírus que causa a covid-19 como "vírus chinês" e iniciou uma guerra tarifária contra o país asiático durante seu mandato.

A informação sobre a fabricante, porém, não consta no site do FreedomPhone. Quem confirmou a procedência do aparelho foi o idealizador, ErikFinman, em entrevista ao blog progressista Daily Beast.

Segundo ele, embora o Freedom Phone seja feito pela Umidigi, a montagem do aparelho em si não ocorre exatamente na China, mas em Hong Kong — ex-colônia britânica que fica no sudeste da China, administrada de forma parcialmente autônoma. A sede da Umidigi, porém, fica na cidade chinesa de Shenzhen.