Geral

Faria cirurgia no calcanhar | Mulher internada some de hospital e é achada morta no Rio

Faria cirurgia no calcanhar | Mulher internada some de hospital e é achada morta no Rio

A Polícia Civil do Rio de Janeiro investiga a morte da doméstica Valéria Muniz de Carvalho, de 52 anos. Ela estava desaparecida desde a semana passada, após ter sumido do Hospital Municipal Salgado Filho, no Méier, na zona norte do Rio, onde tinha sido internada para fazer uma cirurgia por causa de uma fratura no calcanhar.

Familiares de Valéria estiveram anteontem na unidade e descobriram que ela não estava mais lá. De acordo com os parentes, na última sexta-feira (18), eles receberam uma mensagem pelo WhatsApp informando que a paciente iria passar por alguns exames. Ao longo do final de semana, não receberam mais notícias e estranharam a falta de informação.

Após ser constatado o desaparecimento de Valéria, a família começou a realizar buscas e descobriu que o corpo estava no IML (Instituto Médico Legal). Ela foi encontrada pela polícia na rua Miguel Ângelo, no Cachambi, bairro vizinho ao do hospital, a cerca de 2,5 km de distância da unidade.

A direção do Hospital Municipal Salgado Filho informou que está colaborando com a investigação. A unidade destacou que na manhã de sábado, por volta das 5h, a mulher saiu da unidade caminhando pelo setor de emergência. A direção informou ainda que a saída foi registrada pelas câmeras de segurança do hospital e as imagens já foram disponibilizadas para a polícia.

Namorado rebate o hospital

O namorado da mulher, Milton de Souza, questiona o posicionamento do hospital de que ela teria deixado o local por conta própria.

"Eu fiquei o tempo inteiro com ela no hospital na quinta-feira e ela já internou no mesmo dia. Na sexta, me mandaram aquele relatório médico sobre ela. Quando foi na segunda-feira pela manhã, eu fui ao hospital para pedir notícia, porque eles não falaram mais nada. Foi aí que me informaram que a Valéria tinha saído andando do hospital. Ela não tinha condições de andar sozinha com o pé quebrado, não tinha como. Na mesma hora eu fui para a delegacia. Na segunda de noite, descobrimos que o corpo dela estava no IML desde sábado. Eu estou em estado de choque até agora", diz Milton.

WhatsApp - Reprodução - Reprodução
Milton recebeu informações sobre cirurgia de namorada; desde sábado, porém, corpo dela estava no IML
Imagem: Reprodução

"É um sentimento de perplexidade. A Valéria era uma pessoa muito extrovertida, brincalhona, todos da vizinhança conheciam ela. A gente agora só quer saber o que aconteceu, nada mais. Eu só quero que tudo seja esclarecido, quero saber a verdade para a morte dela ser respeitada", diz Milton, que tinha um relacionamento de 10 anos com Valéria.

O enterro de Valéria Muniz de Carvalho acontece hoje a tarde no Cemitério do Pechincha, na zona oeste do Rio.

O que diz o hospital

Confira a nota na íntegra:

"A direção do Hospital Municipal Salgado Filho lamenta a morte da sra. Valéria Muniz e está colaborando com a investigação policial. É importante destacar que a sra. Valéria era uma paciente lúcida e deixou a unidade sem autorização de alta, não havendo portanto nenhum documento assinado — isso só acontece na situação quando o paciente solicita 'alta a pedido' e assina termo de responsabilização por interromper o tratamento médico."

"Valéria deu entrada na quinta-feira com uma fratura no calcanhar, foi examinada e medicada para ser preparada para cirurgia no local. No início da manhã de sábado, por volta das 5h, saiu da unidade caminhando pelo setor de emergência, por onde entram e saem os pacientes atendidos no setor. Não há como distinguir se a paciente era do setor da enfermaria ou não, pois vários saem com imobilização. O Salgado Filho tem sim controle nos seus acessos — há vigilantes em todas as entradas e saídas da unidade."

"A saída foi registrada pelas câmeras de segurança do hospital e as imagens já foram disponibilizadas para a polícia."

"A direção do hospital lamenta mais uma vez a morte de sra. Valéria e se solidariza com a família nesse momento de dor. O namorado de Valéria, com quem a paciente morava, procurou o hospital no domingo e foi orientado a ir à unidade na segunda-feira para ser atendido pelo Núcleo Estratégico de Apoio às Famílias (NEAF), que deu todas as informações sobre o tratamento e saída da paciente."

"É preciso deixar claro que não há como impedir, em casos como a da Sra. Valéria, que o paciente fique internado contra a sua própria vontade. Há exceções, claro, como em casos de pacientes com doenças mentais ou que estejam desorientadas por conta de um problema de saúde ou idosos e crianças."

"A direção do Salgado Filho segue à disposição para esclarecer quaisquer dúvidas e oferece todo apoio necessário para os familiares da paciente."

Perícia

Ao UOL, a Polícia Civil informou que os agentes aguardam o resultado do laudo pericial do corpo de Valéria.

"Segundo informações da 23ª DP (Méier), as investigações estão em andamento para apurar as circunstâncias do fato. Diligências estão sendo realizadas. A polícia aguarda o resultado do laudo pericial", escreveu a polícia em nota.