Geral

Em shopping no Ceará | Delegada negra barrada em loja aponta racismo; empresa alega falta de máscara

Em shopping no Ceará | Delegada negra barrada em loja aponta racismo; empresa alega falta de máscara

Uma delegada negra alega ter sido barrada na entrada da loja de roupas Zara do Shopping Iguatemi, no bairro Édson Queiroz, em Fortaleza, e denuncia racismo por parte do segurança do local. Ontem, a Polícia Civil esteve no estabelecimento para recuperar as imagens de vídeo do circuito interno de segurança do local. Representantes do estabelecimento alegam que ação se deu por a mulher estar sem máscara e cumprir os protocolos contra a covid-19.

O episódio ocorreu na última terça-feira (14) com a diretora adjunta do Departamento de Proteção aos Grupos Vulneráveis da Polícia Civil do Ceará, a delegada Ana Paula Barroso. Segundo ela, o segurança a teria impedido de entrar na loja por "questões de segurança". Ela chegou a questionar as razões do funcionário, mas teria recebido várias negativas e não teve acesso ao estabelecimento.

Segundo a delegada Anna Nery, da Delegacia de Defesa da Mulher (DDM) de Fortaleza, após denúncia formalizada, houve três tentativas de solicitação de imagens das câmeras de segurança junto à loja, todas negadas, enquanto o centro de compras cedeu os registros das áreas comuns no primeiro pedido. Por isso, houve solicitação e a Justiça concedeu mandado de busca e apreensão, cumprido neste domingo (19).

"Ainda serão ouvidas algumas testemunhas, dentre elas, dois seguranças e uma testemunha que estava dentro da loja e presenciou todo o constrangimento passado pela vítima. Após todas essas oitivas, ao final, será ouvido o suspeito do fato", afirmou Anna Nery.

Em contato com o UOL, a assessoria de comunicação da Zara afirma que a delegada foi abordada porque estava consumindo um sorvete na loja e não estava usando máscara. O funcionário foi pedir para que ela colocasse a máscara por causa dos protocolos de segurança e ela se sentiu ofendida, logo depois, saiu da loja.

Em nota, o Shopping Iguatemi Fortaleza disse ter colaborado com a investigação e cedido de pronto as imagens de áreas comuns do centro de compras. "O Iguatemi Fortaleza não compactua com quaisquer formas de discriminação ou demonstrações de preconceito racial" e completa dizendo que "cumpre com todas as determinações dos decretos estaduais em relação a medidas sanitárias referentes à Covid-19".