Geral

Brasil com Zeca | 'Lives me resgataram da depressão na pandemia', conta Margareth Menezes

Brasil com Zeca | 'Lives me resgataram da depressão na pandemia', conta Margareth Menezes

Para Margareth Menezes, todos os caminhos levam a Gilberto Gil. Bairrismo? Não estivéssemos falando de uma das grandes vozes da música brasileira (e não é só de axé que estamos falando), a resposta até poderia ser sim. Aliás, é dela o conceito mais pop do afro, sua grande marca.

"Para mim, o axé é um movimento, não se estabelece como estilo, mas várias coisas", explica a cantora, que foi a convidada especial do programa Brasil com Zeca.

O afropop é o estilo que eu me identifico, no qual consigo me entender, sou uma artista negra mas com um comportamento pop, minha música é afro urbana. Tenho esta independência"

Margareth Menezes foi a convidada do Brasil com Zeca - Reprodução - Reprodução
Margareth Menezes foi a convidada do Brasil com Zeca
Imagem: Reprodução

Ainda sobre o afropop, ela ressalta, ele sempre existiu, "toda vez que tem um negro na cena pop ele traz sua raiz, a referência de natividade".

Em seguida, lembra do ano de 1992, quando retornou de uma turnê com o norte-americano David Byrne. "Recebi uma crítica, 'lá vem margara como seu brazil africa pop'". Ao ouvir sua voz, Byrne a convidou para abrir seus shows mundo afora.

Autêntica e muito autoral, Margareth Menezes, uma das pioneiras da axé music, sempre compôs, mas a timidez de expor suas músicas, além da intimidade com o lado intérprete, fez com que os admiradores conheçam pouco da sua obra. Embora, ela reconheça: "Ultimamente, o pessoal está muito interessado em saber o pensamento do artista".

Queridinha da nova geração

Sempre citada como referência em canções e discos de cantoras mais jovens, Margareth Menezes enxerga isso como algo ligado à estética.

As meninas da nova geração sempre me citam como referência, então decidi trazê-las, estas mulheres negras lindas, para meu trabalho também"

margareth - Reprodução - Reprodução
Imagem: Reprodução

A frase se refere ao trabalho no qual colabora com jovens nomes da música brasileira, como Majur, Luedji Luna e outras. "A primeira vez que encontrei a Iza eu disse: 'que maravilha ver isso'".

Margareth também é uma entusiasta da tecnologia na indústria da música. Há 17 anos, ela fundou a Fábrica Cultural junto com a sócia Jaqueline Azevedo, uma organização social que nasceu do desejo de contribuir com o desenvolvimento de seu local de origem, a Península de Itapagipe, periferia de Salvador.

"São ações do coração, pelo privilégio que eu tive", diz.

Não tem nada a ver com assistencialismo, mas uma visão de fé na possibilidade do ser humano, do que as pessoas são capazes O despertar de uma visão mais positiva"

Pandemia

Às vésperas do isolamento, ela estava saindo em turnê para divulgar seu disco mais recente — e 100% de autorais inéditas —, o "Autêntica", de 2019, com agenda cheia até o meio do ano.

"O que me resgatou da depressão na pandemia foram as lives", diz. "A gente achou que ia passar logo, que tristeza ver toda a Bahia, com toda sua pulsação, fechada."

Anota aí

Brasil com Zeca vai ao ar toda sexta-feira, às 19 horas, no Canal UOL e no YouTube de Nossa, onde você também pode maratonar todos os episódios. Também confira conteúdos extra nas redes sociais de Nossa: Instagram, Twitter, e Facebook.