Esportes

UOL Entrevista: Carrasco do Real homenageia cidade que sofre com pandemia

Classificação e Jogos

Como diz o ditado, sonhar não custa nada. Quase como um menino, o meio-campista Juan Antonio Casanova Vidal passou a vida toda imaginando como seria fazer um gol contra o Real Madrid. Eis que o sonho, que por muitas vezes pareceu demasiadamente irreal, tornou-se realidade na última quarta-feira (20).

Aos 30 anos, após peregrinar por equipes das divisões inferiores do futebol espanhol, Juanan Casanova, como é conhecido, foi o autor do gol que decretou o triunfo do Alcoyano, pequena equipe da terceira divisão espanhola, sobre o todo poderoso time merengue. A vitória por 2 a 1 eliminou os madridistas na terceira fase da Copa do Rei.

"Eu me imaginava marcando um gol, mas quando você pensa de forma racional, não acredita que possa realmente acontecer, ainda mais jogando contra o Real Madrid. Mas no final, conseguimos. É difícil de acreditar, mas conseguimos", disse o jogador com exclusividade ao UOL.

Além das motivações pessoais envolvidas no duelo, Juanan avalia que outro tema fez a diferença no confronto. Como o nome sugere, o Alcoyano é uma equipe de Alcoi, pequena cidade do interior da comunidade autônoma de Valência. Por uma triste coincidência, ela também é a cidade espanhola com a maior incidência de casos de Covid-19 a cada 100 mil habitantes — entre os municípios com mais de 40 mil habitantes.

"É muito triste os nossos torcedores não poderem estar conosco em um momento como esse, porque eles teriam enchido o estádio até a bandeira. Sabendo como está a situação da Covid em Alcoi, com o povo sofrendo demais, nosso elenco deseja muito aproveitar esta chance de dar um pouco de alegria a essas pessoas. Que fosse por uma noite, uma semana ou o que fosse. Poder levar um pouco de alegria a eles é uma honra muito grande."

Coração dividido?

Logo após a vitória sobre o Real Madrid, viralizou no Twitter uma foto de Juanan comemorando o título da Copa do Rei pelo Valencia, conquistada sobre o Barcelona em 2019. Perguntado sobre o assunto, o meio-campista não faz rodeios, admite ser torcedor dos "Los Che" desde pequeno e diz que seria a realização de mais um sonho ter seu clube do coração como adversário nessa Copa do Rei.

"Seria a realização de um sonho poder jogar contra o Valencia, principalmente em uma partida dessa importância. E jogando em casa, em Alcoi, poderíamos fazer um jogo duro e brigar pela classificação."

Protagonista de um "conto de fadas" que só o futebol é capaz de proporcionar, o jogador também opinou sobre a criação da Superliga Europeia, competição que tem sido planejada nos últimos anos pelos clubes mais ricos do Velho Continente e está cada vez mais próxima de sair do papel. Além de impossibilitar episódios épicos como o "Alcoyanazo", o jogador avalia que a nova competição poderia decretar o fim do futebol como o conhecemos.

"Não me parece algo positivo para o esporte, porque se perde a essência das competições locais. Essa estrutura hierárquica é o que fortalece as ligas nacionais e continentais. A Superliga seria concentrada em poucos times, que absorveriam todos os demais. Isso tornaria o futebol um esporte moribundo", sentencia.

Confira abaixo outros temas da entrevista:

UOL Esporte: Qual é o maior sonho que ainda não realizou como futebolista?

Juanan Casanova: Quero seguir jogando futebol, ir o mais alto possível. Talvez até jogar na primeira divisão, quem sabe? Mas a curto prazo, meu objetivo é ajudar o Alcoyano a passar fases nessa Copa do Rei. Afinal, esse é o nosso sonho como equipe.

UOL Esporte: Até onde o Alcoyano pode chegar na Copa do Rei?

Juanan Casanova: Nos jogos em partida única, jogando em casa, seremos um adversário difícil de ser batido. Claro que, se tivermos que ir a estádios maiores, de times da primeira divisão, será um pouco mais complicado. Mas seguiremos tentando ir até a final.