Esportes

Reportagem: Tales Torraga - 1 ano sem Maradona: filhos buscam paz após briga por herança 'incalculável'

A morte de Diego Armando Maradona, depois de uma parada cardiorrespiratória, completa um ano exatamente hoje, 25 de novembro. O craque de 60 anos deixou cinco filhos reconhecidos —e eles agora tentam se unir depois de iniciar um verdadeiro vale-tudo pela sua herança.

Maradona não registrou nenhum testamento, criando um ambiente propício para os mais diversos conflitos. A disputa (e as respectivas trocas de farpas) tem trincheiras bem estabelecidas. A mais numerosa é a da "primeira família" de Maradona, com suas filhas mais velhas, Dalma (34 anos) eGianinna (32), e Claudia Villafañe, sua ex-esposa, de um lado, e os três filhos reconhecidos tardiamente do outro. São eles: Diego Júnior (35 anos), Jana (25) e Dieguito Fernando (8), o caçula e aquele que conta com os direitos defendidos com mais fervor na TV argentina, pois seu padrasto, o advogado Mario Baudry, era próximo a Maradona em seus meses finais.

Tal quantidade de herdeiros pode aumentar ainda neste ano com dois testes de DNA que serão realizados na cidade de La Plata, em 14 de dezembro —duas adolescentes, Magalí Gil e Eugenia Laprovittola, afirmam que também são filhas de Maradona.

O último desejo do astro argentino era reunir todos os filhos em seu aniversário de 60 anos, o que não ocorreu. Em respeito à memória do pai, as filhas mais velhas, Dalma e Gianinna, já sinalizaram nas redes sociais que buscam estreitar os laços com os demais, até para minimizar os conflitos na divisão do patrimônio. Ambas entendem também que uma união pacífica suavizaria, para todos, os efeitos de uma vida tão turbulenta quanto a de Diego.

Incalculável

A fortuna gerada por Maradona virou um verdadeiro fetiche para a sempre detalhista imprensa argentina. Logo depois da sua morte, estimativas como a do "Clarín", maior jornal do país, diziam que a herança esbarrava em US$ 100 milhões (R$ 561 milhões). Ela viria de imóveis na Argentina e em todo o mundo, além de carros, anéis, joias e relógios —tudo do mais alto luxo. Tal cálculo não inclui o direito de imagem, quantia sempre difícil de ser avaliada.

Segundo a "Crônica TV", canal de Buenos Aires, seriam US$ 600 milhões em jogo (cerca de R$ 3,3 bilhões aproximadamente). Um dos esportistas mais lucrativos de todos os tempos, Diego amealhou cifrões em salários, patrocínios e direitos de imagem até seus dias finais —e a história mostra rios de dinheiro sendo gerados depois da morte de figuras da sua grandeza.

mara - Reprodução América TV - Reprodução América TV
Última namorada de Maradona, Rocío Oliva, e o ex-jogador com as filhas Dalma e Gianinna (acima) e Jana e Dieguito (abaixo)
Imagem: Reprodução América TV

De confirmado, até aqui, foram encontrados US$ 6 milhões em contas bancárias suíças, além de um café de sua propriedade em Dubai e 5% do Dínamo Brest, clube da Bielorrúsia. Procura-se também por outros US$ 6 milhões do contrato assinado por Maradona com a Amazon Prime Video para a produção da série "Maradona: Conquista de um Sonho", atração disponível nas plataformas desde o mês passado.

A disparidade entre as cifras se explica. Como o patrimônio de Maradona é mundial, a juíza Luciana Tedesco delRivero precisa aguardar diversas oficializações para iniciar a distribuição que nem sequer ainda tem a quantidade total de herdeiros, mediante os agendados testes de DNA. "Impossível estabelecer qualquer cálculo ou data", diz ela.

A lei argentina estabelece que dois terços dos bens são destinados aos filhos, e o terço final fica com pais ou cônjuges. Os pais de Maradona morreram antes do astro, que estava solteiro nos meses finais.

Leilão

Outros bens de Maradona serão leiloados em 19 de dezembro, e parte do dinheiro arrecadado já tem destino, que é o de pagar impostos atrasados.

Imóveis, automóveis e até objetos pessoais guardados em um baú na cidade de San Isidro serão arrematados.

Os objetos contidos em tal baú são de grande valor histórico. Há até duas camisas ligadas ao futebol brasileiro: uma da seleção brasileira, assinada por Rivellino, e outra do Atlético-MG, dedicada por Jesús Dátolo, volante de Maradona nos seus tempos de técnico da seleção argentina.