Esportes

Reportagem: Gabriel Vaquer - Dona da TNT Sports, WarnerMedia é vendida para Discovery por US$ 43 bilhões

A AT&T, gigante da mídia mundial, anunciou nesta segunda-feira (17) que efetuou a venda da WarnerMedia para o grupo Discovery em todo o mundo. O negócio gira em torno de US$ 43 milhões (R$ 226 bilhões na cotação atual). Entre as empresas que fazem parte do grupo, estão canais como CNN e TNT Sports, que têm operação no Brasil. A conclusão do negócio agora depende de aprovação dos órgãos reguladores.

No comunicado, a AT&T usa o termo "fusão", mas a gigante americana vendeu os ativos de mídia e entretenimento da sua empresa para a Discovery. A partir daí, WarnerMedia e Discovery vão se fundir e criar uma nova gigante, ainda sem nome definido, no mercado de comunicação.

A AT&T está se desfazendo de algo que não deu certo menos de três anos após sua compra. O negócio deve ser concluído até 2022 e a divisão de acionistas deverá ser de 71% para os atuais acionistas da AT&T e 29% da Discovery. A fatia maior para os acionistas da AT&T é uma forma de compensação pelo fato de um negócio, que foi bem complicado de concluir, ter sido desfeito tão pouco tempo depois de seu início.

A AT&T quer voltar a focar totalmente em telefonia (telecomunicações, 5G e banda larga, principalmente nos Estados Unidos). Comprada em 2018, a WarnerMedia vinha sendo um problema para a empresa, que não sabia muito bem o que tomar de decisões sobre ela em diversos mercados - inclusive no Brasil.

Por isso, venderam a parte de mídia e entretenimento para a Discovery, que tem mais experiência neste setor. A WarnerMedia e a Discovery vão se fundir para criar uma nova gigante de streaming para concorrer, principalmente, com Netflix e Disney por uma fatia no mercado de plataforma.

O atual presidente e CEO do Discovery David Zaslav está confirmado como principal liderança da nova companhia. Já o atual "número 1" da WarnerMedia, Jason Kilar, ainda não tem seu futuro definido. Mas ele já negocia sua saída da empresa e contratou uma equipe jurídica para isso.

E no Brasil?

O brasileiro ainda vai demorar para perceber o resultado destas mudanças em nosso país e principalmente no esporte. A aprovação do negócio ainda vai passar pelo Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica), que demorou para aprovar a fusão inicial entre Warner e AT&T por diversos fatores.

O principal deles é que a Sky, segunda maior operadora de TV paga do Brasil, é da AT&T. Pela Lei da TV paga, aprovada em 2011, um órgão não pode ser dono de uma programadora e de uma operadora ao mesmo tempo. A venda da WarnerMedia resolve este problema.

Em termos de conteúdo, a TNT Sports (antigo Esporte Interativo), o braço esportivo da WarnerMedia, muda de dono diretamente pela terceira vez em quatro anos. No curto prazo, não haverá grandes alterações. A Champions League foi renovada até 2024 recentemente e os eventos adquiridos, como o Brasileirão, seguem.

Mas o Discovery não tem tradição de investimentos esportivos na América Latina. A empresa comprou eventos na Europa, mas sempre focou em outro tipo de investimento, com o esporte sendo algo secundário. No longo prazo, dependendo da estratégia da Discovery, o TNT Sports pode estar ameaçado.