Esportes

Rafael Reis - Ex-seleção italiana revela conversas com 5 clubes e pode voltar ao Brasil

Não se surpreenda se nas próximas semanas algum clube que disputa o Campeonato Brasileiro anunciar a contratação do meio-campista Rômulo.

O jogador, que foi campeã italiano pela Juventus em 2015, quase disputou a Copa do Mundo-2014 pela Azzurra e defendeu as cores do Brescia na última temporada, já conversou com pelo menos cinco dos 20 clubes que disputam a primeira divisão nacional.

O veterano de 33 anos só espera o fechamento da janela de transferências na Europa (dia 5 de outubro, na maioria dos países) para decidir se continua no Velho Continente ou se encara uma volta ao seu país-natal.

Apesar de não ter vínculo com nenhum clube, o que permite sua contratação mesmo fora do período tradicional de negociações, Rômulo sabe que a maioria dos clubes define seus elencos no fechamento da janela e depois só realizaram transações emergenciais.

"Não tenho pressa. Como estão aparecendo várias oportunidades interessantes, vou pensar com calma. Pretendo analisar o treinador, sistema de jogo, como me encaixaria no time. Essas coisas podem pesar mais até que dinheiro", afirmou, por telefone.

"Como já estou na Itália há quase dez anos, é claro que tenho vontade de continuar aqui. Mas também tive propostas da Espanha e conversei com clubes grandes do Brasil, do Sul e de São Paulo. Nasci no Brasil, minha família está aí. Então, também é uma possibilidade a ser considerada."

Rômulo começou a ficar conhecido no cenário nacional em 2010, quando defendeu o Cruzeiro. No ano seguinte, foi emprestado ao Athletico-PR e, depois, negociado com a Fiorentina. Na Itália, jogou nas mais variadas posições (lateral direito, volante, meia e ala direito) e defendeu ainda Hellas Verona, Juventus, Genoa, Lazio e Brescia.

O auge da sua carreira aconteceu na temporada 2013/14. Rômulo foi tão bem com a camisa da Verona que descolou o empréstimo à Juve e também a promessa de que disputaria a Copa do Mundo pela seleção italiana... algo que acabou não se concretizando.

"No começo de 2014, tive uma conversa com o Cesare Prandelli [então técnico da Azzurra]. Ele me perguntou se eu aceitaria uma convocação. Respondei que sonhava jogar pela Itália como se fosse um nativo. E ele disse que então eu iria à Copa."

"Fiquei superfeliz com a notícia e fui convocado para algumas semanas de treino. Só que um pouco antes da preparação oficial para a Copa começar, avisei o treinador que estava sentido muitas dores. Era uma pubalgia. Fiquei um ano e meio longe dos gramados por causa dela."

Depois da grave lesão, Rômulo nunca mais teve chances na seleção. Ele ainda foi campeão da Copa Itália do ano passado pela Roma, mas depois encarou um empréstimo que não terminou bem para o Brescia.

Na equipe da Lombardia, o brasileiro perdeu como nunca na carreira. O time foi rebaixado com várias rodadas de antecedência, e seu contrato nem foi estendido para que ele disputasse a reta final do Italiano. O lado positivo foi a convivência mais próxima com o polêmico atacante Mario Balotelli, que também fazia parte do elenco.

"Eu já o conhecia da seleção e gosto demais dele. O Balotelli é um cara engraçado, superdescontraído. É claro que tem o lado do personagem, que não sei se faz bem ou mal para ele. No Brescia não deu certo porque não jogávamos em um estilo que o favorecia. Mas ele é muito bom para um time que saiba aproveitar a qualidade dele."