Esportes

Opinião: Rodrigo Coutinho - Coutinho: Keiller acirrará briga pela meta colorada em 2022

A disputa por posição entre os goleiros do Internacional em 2022 promete ser quente. E o melhor! As duas principais opções são reveladas pelo clube. Keiller, que retorna de empréstimo da Chapecoense após ótimo Brasileirão, e Daniel, que se recupera de lesão na costela. Atletas que demoraram um certo tempo para ganharem esse status dentro do elenco, mas que enfim poderão construir a história sonhada na base.

Keiller e Daniel não são mais tão jovens. O primeiro tem 25 anos e o segundo 27. Mas possuem poucos jogos como profissional pelo histórico de quase sempre receberem poucas oportunidades no Colorado. Daniel nunca saiu por empréstimo, por exemplo, passou pelo time B e integra o elenco profissional desde 2016. Tinha apenas nove partidas realizadas antes das 32 vezes que entrou em campo na atual temporada.

Já seu ''rival'' pela camisa 1 em 2022 foi emprestado pela primeira vez para a Chapecoense, e tem só dois jogos profissionais pelo Internacional. Muito elogiado na base do clube gaúcho, Keiller deu a resposta quando teve sequência em campo. Se há algo benéfico para um goleiro de clube rebaixado é a oportunidade de aparecer. Certamente será muito exigido, como ocorreu com o arqueiro de 25 anos. E ele deixou ótima impressão.

01 - Fonte: Opta - Fonte: Opta
Comparativo entre Daniel e Keiller no Brasileirão 2021
Imagem: Fonte: Opta

A dupla está bem posicionada em diversas estatísticas entre os goleiros no Brasileirão 2021. Ambos possuem um estilo mais discreto. A principal característica é o bom posicionamento e a sobriedade nas ações. Daniel até se destaca nesse aspecto, enquanto Keiller consegue ter mais velocidade de reação. Mas o perfil ''espalhafatoso'' de ''pontes'' e voos espetaculares não os apetece.

A envergadura de Daniel é um pouco maior, assim como sua estabilidade emocional diante de situações críticas, fatores que podem colocá-lo em certa vantagem na disputa, mas a briga está bem aberta, o nível é próximo entre os dois. Keiller tem mais velocidade para encurtar a distância numa saída da meta em situações de mano a mano com os atacantes. Possui boa técnica para fechar as opções de finalização em lances assim.

Outro detalhe importante para avaliar Keiller é a precisão para encaixar ou espalmar as bolas. Costuma ter uma boa leitura da melhor decisão em chutes fora do seu alcance, tentando direcionar a ''espalmada'' para fora de região do rebote ou encaixando finalizações fortes. Precisa melhorar o jogo com os pés, algo em que Daniel consegue apresentar mais facilidade, incluindo as reposições de bola.

02 - Ricardo Duarte/SC Inter - Ricardo Duarte/SC Inter
Daniel, goleiro do Internacional, durante jogo com o Juventude pelo Gauchão
Imagem: Ricardo Duarte/SC Inter

As saídas pelo alto são outro ponto favorável ao goleiro que foi titular do Inter na maior parte do tempo em 2021. Keiller por vezes se precipita em bolas alçadas na área. Vale frisar a importância da sequência de jogos em bom nível competitivo na evolução de certas valências, principalmente quando se trata de um goleiro, posição em que a confiança tem papel ainda mais determinante.

Keiller, por exemplo, começou o ano no banco da Chape, virou titular no início do Estadual e depois perdeu a posição novamente, recuperando-a com o Brasileirão em curso. Daniel era reserva até a chegada de Diego Aguirre. Osmar Loss deu algumas oportunidades na transição entre Miguel Ángel Ramirez e o uruguaio. Contextos um pouco diferentes para os goleiros em 2021, mas o suficiente para mostrarem que podem ser os donos da meta do Internacional.