Esportes

Opinião: Milly Lacombe - Milly: Tem dias em que o machismo me faz querer desistir do futebol

Eu liguei a TV para torcer para o meu time, como faço duas vezes por semana, e em poucos minutos já tinha me arrependido. Ainda no primeiro tempo, quando jogadores do Grêmio e do Corinthians ameaçaram perder a cabeça e ensaiaram uma briga infantil eu escuto o narrador do SporTV "narrar" a briga simulando as vozes dos brigões: "Sua mãe tem bigode!", "Não! É a sua que tem". E, em segundos, o jogo estava encerrado pra mim.

Coloquei no mudo e pude ver, claro, quantas vezes a câmera perseguiu um rosto feminino branco de cabelos lisos que pudesse ser enquadrado durante a transmissão. O futebol gosta de mulher desde que seja para perpetuar padrões e opressões.

O machismo e a misoginia estão por todos os lados e acho que qualquer torcedora atenta se pergunta por que mesmo a gente continua assistindo a esse espetáculo que tantas vezes é deplorável?

Pra que meter mulheres numa briga de homens? Pra que fazer comentários sobre o que temos ou deixamos de ter em nossas caras? Pra que chamar as mães para o centro de um palco tão infantil, bobo, babaca? Não eram mulheres brigando, não eram mulheres jogando, não eram mulheres fazendo um papel vexatório. Mas o comentário precisava nos citar.

A todo o instante somos citadas de forma pejorativa, debochada. A todo instante somos ridicularizadas, mesmo quando o ridículo não passa de homens chiliquentos se peitando em campo.

"Ah, mas o narrador é um cara bacana, você está sendo chata". Gente, ver o machismo e a misoginia em Bolsonaro é a coisa mais fácil do mundo. O desafio é ver "nos caras bacanas" que nos cercam.

E chato, francamente, são os dados da violência contra a mulher. Pois é, a mesma estrutura que se permite tirar um sarro de nossos pêlos faciais é aquela que, no fim do dia, nos mata. Trata-se de um mesmo sistema de exclusão, objetificação e mutilação.

É muito bacana quando um cara se diz aliado do feminismo. Mas isso não leva a lugar nenhum e já não engana mais ninguém. Maravilhoso mesmo seria que os caras bacanas agissem como um aliados da causa.