Esportes

Opinião: Flavio Gomes: "Foi um pouco exagerado Verstappen tirar o pé para Hamilton"

Tenso e polêmico. Assim pode ser resumido o GP da Arábia Saudita, vencido por Lewis Hamilton neste domingo (5) e marcado por diversas bandeiras amarelas e vermelhas. O piloto da Mercedes travou intensa disputa na pista de Corniche com Max Verstappen, que foi punido por se envolver em um incidente com o britânico. Discussões à parte, os dois chegam à última corrida da temporada empatados na liderança do Mundial. O desfecho será na próxima semana, no GP dos Emirados Árabes.

No Fim de Papo F1, live pós-corrida do UOL Esporte - com os jornalistas Fábio Seixas e Flavio Gomes - os comentaristas analisaram a disputa entre Verstappen e Hamilton na pista e avaliaram se o holandês teve ou não culpa ao reduzir a velocidade para devolver a posição ao britânico, que atingiu a Red Bull do rival e danificou a asa dianteira de sua Mercedes.

"É verdade que o Verstappen botou o carro para a direita, deu espaço para o Hamilton e tudo mais. Mas tirar o pé ali não foi um pouco exagerado? Estou começando a achar que o Verstappen é meio maquiavélico. O Hamilton é. Naquele segundo enrosco, quando vê que o Verstappen corta a chicane, ele também estava indo por fora. Ele volta e contorna a chicane. Hamilton é muito esperto, experiente, muito inteligente e tem uma visão de corrida muito privilegiada. Na hora em que vi o incidente, achei que o Verstappen tirou o pé um pouquinho além da conta", opinou Gomes.

A polêmica era se Verstappen fez ou não o brake-test - ou seja, reduziu a velocidade de forma proposital para provocar um incidente com Hamilton. Tanto o holandês como a Red Bull alegam que a manobra foi para cumprir uma ordem da direção de prova para devolver a posição ao britânico por um incidente anterior. Porém, Hamilton e a Mercedes argumentam que não foram avisados dessa decisão.

Seixas estranhou a atitude do piloto da Red Bull no momento em que houve a batida. "No primeiro momento, fiquei em dúvida. O piloto sabe das coisas. O brake-test é uma das coisas mais desleais. No futebol, é aquele carrinho em que o cara vai no joelho do adversário. É extrapolar a deslealdade. Por mais que se tenha um adversário na pista, você tem que confiar naquele cara à sua frente. A vida dos dois está em jogo quando existe uma disputa de posição. No instante depois do incidente, o Hamilton entrou pelo rádio e acusou o Verstappen de brake-test", comentou.

Ao rever o episódio em câmera lenta, Seixas se convenceu de que Verstappen não teve culpa. "Mas também vamos lembrar que, quando os dois foram para a pista em uma das relargadas, um acusou o outro. O Verstappen acusou o Hamilton de estar muito lento; o Hamilton acusar Verstappen de simular uma largada no pit lane. Os dois estão em um estado de nervos elevado. Só quando veio uma repetição em super slow, achei que não foi um brake-test. Dá para ver o Verstappen abrindo e o Hamilton não sabia. Por isso, acho que o maior erro da direção de prova foi esse", disse o colunista do UOL.

Gomes também considera uma grande falha da direção de prova o fato de a Mercedes não saber da decisão de Verstappen devolver a posição a Hamilton naquele instante da corrida. "A Mercedes confirmou que não sabia. Apareceu uma imagem no DAZN espanhol. Era uma reta onde o Verstappen tirou o pé. Eles ampliaram o painel e o Verstappen está em terceira marcha. O brake-test é abominado por qualquer piloto de qualquer categoria do automobilismo. Os caras vão dar uma olhada nessa telemetria para saber exatamente qual foi a atitude do Verstappen para entregar a posição. Agora, tem o erro original que é o Hamilton não saber", ressaltou.

Seixas concorda. "Foi aí que eu acho o grande erro da direção de prova. O Hamilton não sabia. Ele foi para ultrapassar, mas não sabia que o Verstappen ia devolver. O Verstappen colocou o carro para a direita e abriu para o Hamilton, que veio babando, por imaginar que o Verstappen também estivesse babando. Só que o Verstappen já havia reduzido o ritmo, o Hamilton até errou o golpe de vista e esbagaçou a asa dianteira. Mas não teve muito prejuízo, porque continuou acelerando e fez a volta mais rápida", concluiu.

Não perca! A próxima edição do Fim de Papo F1 será em 12 de dezembro, após o GP dos Emirados Árabes.