Esportes

Lampard: atrito com diretora russa e 'caso Kepa' geraram demissão, diz site

A demissão de Frank Lampard do comando do Chelsea, divulgada pelo clube na manhã de hoje, não foi vista com surpresa pela imprensa britânica.

O site The Athletic, por exemplo, listou alguns fatos que mostraram o desgaste interno desde a chegada do técnico, em julho de 2019.

O ponto que causava mais desconforto, segundo o veículo, era a relação de Lampard com Marina Granovskaia, diretora russa que tem praticamente "trânsito livre" nos corredores do clube.

Com visões distintas sobre jogadores e métodos de trabalho, os dois mantinham uma relação "fria" e que se agravou nas últimas semanas.

A russa chegou, nos últimos dias, a conversar com treinadores de outros clubes para estudar a sucessão do ex-jogador - que ainda estava empregado. Julian Nagelsmann, do RB Leipzig, foi um deles, de acordo com o The Athletic.

O goleiro Kepa, contratado a peso de ouro pelo Chelsea que acumula falhas desde que chegou ao clube, também foi indiretamente ligado à demissão.

Isso porque Lampard, ao perceber que o jogador não estaria ao nível do clube, pediu aos diretores a venda do espanhol e a contratação de outro goleiro, mas não foi atendido. O argumento era de que a equipe precisava recuperar o investimento no atleta - e a maneira mais viável para isso era insistir nele.

Por fim, a negociação envolvendo Declan Rice desagradou ao treinador. O jogador do Aston Villa era alvo de Lampard, mas as conversas foram barradas pela diretoria, que justificou a medida pelo fato de o atleta ter sido formado - e dispensado - pelo Chelsea.