Esportes

Judoca ou streamer? Brasileira brilha na internet e sonha com Olimpíada

Filha dos sensei Anderson e Reginalda Cristina, Ingrid Larissa não demorou a ingressar no mundo do judô. Ela iniciou os treinamentos com apenas três anos, as competições vieram a partir dos cinco. Tudo parecia encaminhado para seguir no esporte. O destino, no entanto, guardou uma reviravolta inusitada na vida da judoca de 22 anos.

Ingrid Larissa teve de se mudar para o Paraguai, onde começou a fazer faculdade de medicina. A pandemia mudou seus planos. Em casa e com tempo ocioso, já que foi obrigada a parar de estudar e de treinar, Ingrid virou Yayah. Passou a transmitir seus jogos de Valorant, um game de tiro em primeira pessoa, e virou sucesso na internet.

Em pouco mais de um ano no 'streaming', ela chegou a ser a terceira gamer de língua portuguesa mais assistida no Twitch em 2020. "Eu nunca imaginei que estaria fazendo isso. Ser assistida por tanta gente me deixa até nervosa. Um dia desses fiz uma live que pegou 19 mil pessoas. E eu fiquei: 'meu Deus'...", disse ela ao UOL Esporte.

Streamer Yayah tem sonho de chegar a uma Olimpíada com o judô - Reprodução - Reprodução
Streamer Yayah tem sonho de chegar a uma Olimpíada com o judô e foca em Paris 2024
Imagem: Reprodução

Apesar da fama repentina como streamer, Yayah ainda sonha grande com o judô. Após ficar dois anos parada, retomou as atividades e hoje treina no Comitê Olímpico do Paraguai. A brasileira já iniciou o processo para obter nacionalidade paraguaia e realizar o sonho de representar o novo país na Olimpíada de Paris, em 2024.

"Ainda tenho o sonho do judô mesmo após tudo isso acontecer na minha vida. Quando me mudei para o Paraguai, o sensei Gabriel Vincentini começou a dar aula aqui também. Ele é amigo do meu pai e me convidou. Minha missão agora é ganhar peso. Estou abaixo do que preciso para a categoria olímpica. Eu tenho 45 kg e meu objetivo é pelo menos 50 kg." Com 50 kg ela poderia lutar na categoria até 48kg, já que geralmente os atletas treinam mais pesados e perdem peso na época de competir.

Paraguai não tem grande tradição olímpica e até hoje ganhou apenas uma uma medalha, uma prata no futebol em 2004. No judô feminino, o país nunca mandou nenhuma atleta aos Jogos. O sonho de Yayah é ser a primeira.

"Meu objetivo é chegar às Olimpíadas. Até porque, aqui no Paraguai, não tem tanta menina no judô. Nossa meta é chegar em Paris 2024. Eu fiquei dois anos parada por causa da mudança e da pandemia. Estou retomando tudo agora. Estamos no processo de tirar a cidadania e confiantes de que vai dar tudo certo", completou.

Yayah tem bons resultados no judô. Em 2016, foi medalhista de bronze por equipes nos Jogos Escolares. No ano seguinte, venceu o distrital na categoria superligeiro para atletas até 44kg. Sua última competição oficial foi o Campeonato Regional Sub-21 do Centro-Oeste, em que ficou com o bronze, em 2018.

O comprometimento com o judô, mesmo após estourar na internet, apenas comprova seu empenho na modalidade. Ela é faixa preta quarto dan, o grau mais alto, obtido após seis anos na faixa preta. "Comecei a competir com cinco. Eu amo o judô desde sempre. Minha vida basicamente sempre foi isso. Eu voltava da escola e ia treinar. Às vezes, até mesmo na hora do intervalo, eu ficava no tatame. Sempre gostei muito de estar ali dentro", afirmou.

"Fico feliz em dar visibilidade ao judô nas minhas lives. Não é um esporte que tem espaço nos canais no dia a dia. Quem me acompanha já tem essa porta de entrada. O que sempre tento passar é que o judô não é apenas um esporte, mas uma filosofia de vida. Só de praticar já aprende muito. Já ajudei minha mãe dando aula em projetos... mudou minha vida", finalizou.

Gaulês, Lindinho e a tribo

A vida como streamer já vinha se consolidando, mas a explosão veio após o #Yadinho. É que Yayah se aproximou de Lindinho, que se popularizou após aparecer nas lives de Gaulês, o maior streamer do Brasil. A Tribo, como é conhecida sua comunidade, abraçou o que viria a ser o mais novo casal.

"Eu conheci o pessoal da Tribo, e eles começaram a gostar das minhas lives. Gaulês e Lindinho foram me apresentando para o pessoal. Aí rolou o ship com o Lindinho, hoje em dia, a gente está junto. Depois disso, começou a explodir as nossas lives. Quando estava viajando com o Lindinho, a live pegou 70k [70 mil]", recorda, referindo-se à quantidade de internautas que assistiram à transmissão.

Yayah teve largo histórico no judô antes de virar streamer - Reprodução/Twitter - Reprodução/Twitter
Imagem: Reprodução/Twitter