Esportes

'É um ato criminoso', diz Galvão sobre jogador que agrediu árbitro no RS

Durante o Bem, Amigos de hoje, Galvão Bueno não escondeu sua indignação ao ver as imagens da agressão que aconteceu no jogo entre Sport Clube São Paulo e Guarani (RS), pela Série A2 do Campeonato Gaúcho. William Ribeiro, jogador do Sport Clube São Paulo, agrediu o árbitro Rodrigo Crivellaro com um chute na cabeça durante o jogo contra o Guarani. O juiz, desmaiado, foi atendido no gramado e levado de ambulância para o hospital.

No programa, Galvão Bueno se mostrou inconformado ao exibir o vídeo de William agredindo árbitro.

"Eu nunca vi nada tão violento, nada tão covarde, nada tão violento no futebol como essa cena que vamos mostrar agora. No meu Rio Grande do Sul querido, jogo entre o Guarani e o São Paulo-RS. O jogador está preso. Que é isso? Olha só! É um ato criminoso, é uma coisa absurda. Se somarmos aqui todos os anos que nós temos aqui, Bodão (Marco Antônio Rodrigues) e eu nem vale, já dá mais de 50 anos, mas gente, mostra essa imagem outra vez, ela é horrorosa, é inaceitável, nunca vimos isso", comentou o apresentador.

A agressão aconteceu aos 16 minutos do segundo tempo, quando o Guarani vencia a partida por 1 a 0 e, ao notarem que o árbitro ficou desacordado, os próprios jogadores paralisaram a partida e pediram para que a equipe médica entrasse em campo.

Galvão definiu o caso como um absurdo e disse que está na torcida pela recuperação do árbitro.

"Ninguém falou nada, porque é tão chocante, tão absurdo, a imagem diz tudo. Eu nunca imaginei que poderia ver uma coisa dessas. É caso de processo, caso de polícia. Vamos torcer aqui para que o Rodrigo Crivelaro esteja bem no hospital, a informação que nós temos é que ele está no hospital".

Marco Antônio Rodrigues, o único no estúdio a se pronunciar, comentou rapidamente sobre o tema e pediu que o William Ribeiro fosse banido do futebol.

Galvão Bueno, posteriormente, voltou a tocar no assunto e considerou como "imperdoável" a atitude do jogador.

"Eu tava pensando aqui no William Ribeiro. Não sei se ele tem filhos, pai e mãe vivos, mas não tinha como. Não podia esperar outra atitude da polícia do Rio Grande do Sul, eles são muito firmes e muito corretos. Eu tenho muito respeito por isso. Eu lamento, mas é uma atitude absolutamente imperdoável", completou.