Esportes

Ceni elogia jovens do meio após vitória no clássico: "São o motor do SPFC"

Classificação e Jogos

A atuação dos jovens jogadores do meio de campo do São Paulo agradou o técnico Rogério Ceni. Demonstrando mais intensidade do que o Corinthians na vitória por 1 a 0, o time contou com boas atuações de Liziero, Igor Gomes e Gabriel Sara.

"O meu meio de campo eu vejo como a energia desse time. Liziero, Igor Gomes e Sara para mim são o motor do time. É lógico que cada atleta tem a sua função, mas nesse setor esses jogadores têm muita força física, são jovens, têm fome, ajudam muito a servir o Benítez, o Luciano e o Calleri", disse, em entrevista coletiva.

Os três já haviam sido destaques no empate por 1 a 1 contra o Ceará, na estreia de Rogério Ceni como treinador do São Paulo. O treinador admitiu que a formação 4-4-2, com um losango no meio, não é a sua favorita, mas foi a que entendeu ser a melhor para as características do elenco do São Paulo, que possui poucas opções de pontas.

"Eu acho que dentro das características que o clube possui, essa se mostrou até agora ser a melhor formação. Claro que tem o Rigoni para voltar, que a gente pode mudar um pouco a formação, colocar mais um atacante de velocidade, mas essa é a formação que dá a melhor sustentação e faz com que a gente, na ausência de velocistas, possa chegar ao gol adversário, finalizar bastante como foi no jogo do Ceará, um pouco menos hoje contra o Corinthians, que marca muito bem", prosseguiu.

Questionado sobre a possibilidade de voltar a ter um volante de marcação quando Luan se recuperar da lesão da coxa esquerda, Ceni não descartou a possibilidade, mas admitiu preferir jogadores com características mais ofensivas.

"Para mim, o Luan é um jogador importante, logicamente que ele tem uma característica muito maior de marcação, o Liziero muito maior de marcação. Nós vamos analisar o momento. Infelizmente, o Luan ainda fica fora por mais umas três semanas, eu acredito. Vamos ter no mínimo três ou quatro jogos até lá. Quando ele voltar, é sempre uma disputa saudável pela posição. Ele, Liziero, Gabriel Neves, que é um jogador muito mais primeiro volante do que no tripé como nós jogamos, ou lado a lado. Vamos ver, vamos ter alternativas, vamos estudar durante a semana, analisar sempre o adversário e decidir qual a maneira que vamos jogar", continuou.

"Vocês me conhecem, eu gosto muito de volantes que propõe jogo, zagueiros que propõe jogo. É o estilo que a gente gosta, jogar para frente em função do objetivo, do controle do jogo e com o objetivo de vitória. Mesmo porque jogar de contra-ataque sem velocistas é uma condição muito difícil", prosseguiu.

O São Paulo terá a semana livre para se preparar para o próximo compromisso. A equipe volta a campo no próximo domingo (24), às 18h15 (de Brasília), fora de casa contra o Red Bull Bragantino, pela 28ª rodada do Brasileirão.

Confira outras declarações de Rogério Ceni:

Já pensa em vaga na Libertadores?

Eu não vou ficar fazendo uma conta com tanta distância sobre chegar. Lógico que o objetivo é chegar em uma pré-Libertadores, seria - dentro do que foi o ano - um fechamento de ano bom para o São Paulo. Mas vamos pensar jogo a jogo. Posso jogo é contra o Bragantino, vamos avaliar o Calleri agora, possivelmente com uma lesão, Rigoni anda não pode voltar, Luan fora também. Então vamos analisar como vamos montar esse time para o Bragantino. E é jogo a jogo, não adianta fazer uma projeção, ainda tem 11 rodadas. Nós precisamos de pontos, e pontos se conquistam a cada rodada.

Como foi a preleção para o jogo?

A preleção para jogar um clássico contra o Corinthians - e com todo respeito que nós temos pelo Corinthians - é diferente, é um jogo que vale muito mais do que os três pontos, principalmente no momento em que nós vivíamos de um jejum longo de vitórias, esses seis empates consecutivos. Motivação eles já têm naturalmente, o que você conta é um pouco da história do que você viveu, dos momentos felizes, das derrotas que infelizmente acontecem. Acho que valoriza muito quando é um São Paulo x Corinthians, São Paulo x Palmeiras, tem um valor muito grande uma vitória nesses jogos.

Nós treinamos bem, eles estão motivados, confiando em um sistema de jogo que não é o sistema que eu mais gosto, mas é um sistema que foi avaliado como o melhor para esse momento que a gente está vivendo.

Desgaste no elenco

Tenho certeza de que a comissão anterior tentou fazer o melhor possível para que as vitórias viessem, e o São Paulo foi um clube que investiu muito em fevereiro para março, quando começou o Campeonato Paulista. Eu lembro quando estava no Flamengo e jogamos o último jogo do Brasileirão, nós demos 15 dias de folga para os jogadores, enquanto o São Paulo já jogou no domingo o primeiro jogo do Paulistão.

Então houve um desgaste muito grande. É lógico que os jogadores já se encontram praticamente em uma emenda de dois anos. É natural que eles estejam um pouco mais cansados. Nós vamos tentar aproveitar muito essas três próximas semanas que nós temos para tentar elevar o nível físico do time. Mas acho que se encontra da maneira que é possível estar em virtude do excesso de jogos que esse grupo enfrentou durante o ano.

Tiago Volpi como capitão

Hoje ele [Volpi] foi o capitão. Acho que entre os jogadores que começaram ele tinha essa característica, já é um jogador que está há um tempo no clube, tem uma voz ativa boa, consegue persuadir os companheiros, tem uma liderança boa, por isso o escolhi como capitão.

Vejo ele treinando muito, muito esforçado nos treinamentos, ganhando confiança cada vez mais, tenho certeza de que vai ser importante no restante do campeonato.