Entretenimento

Apresentador Sikêra Jr volta a atacar Xuxa após denúncia no MP

Apresentador Sikêra Jr volta a atacar Xuxa após denúncia no MP

O apresentador Sikêra Jr se envolveu em um caso bastante grave com  Xuxa Meneghel. Tudo aconteceu durante o programa Alerta Nacional, exibido pela RedeTV!.

Na última sexta-feira, dia 23 de outubro, Sikêra decidiu associar Xuxa à pedofilia por conta de um livro infantil publicado por ela recentemente. As páginas mostram a história de uma criança que tem duas mães.

De acordo com informações do site NaTelinha, as falas do apresentador lhe renderam uma denúncia no MP-SP (Ministério Público de São Paulo). Segundo a publicação, o ativista dos direitos da população LGBTQI+ Agripino Magalhães foi o autor. À publicação, o ativista se justifica. “Sikêra Jr ataca brutalmente e de forma homofóbica Xuxa Meneghel. O tal apresentador abusa de um trecho do livro da apresentadora de forma desproporcional, LGBTIfóbico e ilegal”, afirma.

Na opinião de Agripino, o objetivo de Sikêra é “disseminar ódio em rede nacional de televisão contra a população LGBTI+”. “A passagem do livro fala do amor entre duas mães lésbicas que se amam”, explica.

Sikêra volta a atacar Xuxa Apesar da polêmica, Sikêra Jr voltou a atacar Xuxa Meneghel no Alerta Nacional, mas tomou cuidado para não citar o nome da Rainha dos Baixinhos. Deixando claro o ataque à famosa, ele usou uma camiseta com uma frase conhecida do público da apresentadora.

“Um beijo pra minha mãe, pro meu pai e pra você…”, dizia a peça. Os ataques aconteceram depois que Xuxa criticou o programa pela exibição de um ato de zoofilia, vídeo esse que rendeu muitas risadas do apresentador.

Irritado, Sikêra respondeu às críticas atacando o livro. “Maya: Bebê Arco-Íris”, que foi lançado recentemente. O contratado da RedeTV! chegou a garantir que era muito fã de Xuxa no passado, mas afirmou que hoje em dia ela “não dá mais audiência e está sendo empurrada para todo horário”.

Na edição de segunda-feira (26), o apresentador voltou a falar sobre pedofilia. “Menina pode beijar menina? Não! Menino pode beijar menino? Não!”, disse ele, que “defendeu” a infância e, novamente, associou gays à pedofilia.