Educação

Modelo de Bolsonaro, Colégio Militar do DF tem retomada suspensa

Modelo de Bolsonaro, Colégio Militar do DF tem retomada suspensa

A 3ª Vara do Trabalho do Distrito Federal determinou, na noite desta quinta-feira (24), a suspensão imediata das atividades presenciais no Colégio Militar de Brasília. A medida atende a pedido do Sindicato Nacional dos Servidores Federais da Educação Básica, Profissional e Tecnológica, que solicitou na ação que seja verificada a eficiência das medidas sanitárias de segurança adotadas pela instituição contra o novo coronavírus. Em caso de descumprimento da ordem, será aplicada multa diária no valor de R$ 15 mil.

Colégios Militares são modelo de Educação preferido por Bolsonaro, pela disciplina e excelência de ensino. Em maio do ano passado, o presidente anunciou a meta de instalar um colégio militar em cada capital brasileira.

O País tem hoje 14 colégios militares pelo País. Do total, apenas quatro voltaram às aulas presenciais. O Colégio Militar de Manaus (AM) no dia 20 de julho, o Colégio Militar de Belém (PA) no dia 08 de setembro, o Colégio Militar do Rio de Janeiro (RJ)  no dia 14 de setembro. O Colégio Militar de Brasília (DF) havia retomado as atividades no último dia 21.

Os colégios militares não são subordinados ao Ministério da Educação. Recebem apenas orientações pedagógicas da pasta, mas são coordenados pelo Ministério da Defesa.

Segundo a Professora de História e Coordenadora do Sindicato dos Professores e Funcionários Civis do Colégio Militar de Brasília, Valéria Fernandes, o momento para o retorno as aulas não é o ideal, tendo em vista o alto número de contaminações e a taxa de letalidade da Covid-19.

Antes da decisão judicial, os professores civis do colégio ameaçavam entrar em greve até que as condições sanitárias sejam ideiais.

O Colégio Militar de Brasília tem o maior número de alunos entre as unidades militares, 2.700. O Colégio Militar de Manaus conta com 932 alunos, Belém tem 476 alunos e a unidade do Rio de Janeiro tem 1.721 alunos matriculados.