Educação

Ensino a distância teve aumento de 378,9% nas vagas em 10 anos

Ensino a distância teve aumento de 378,9% nas vagas em 10 anos

O número de estudantes que ingressaram na graduação pelo Ensino a Distância teve um aumento em 2019, como mostra o Censo da Educação Superior divulgado pelo Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira) nesta sexta-feira (23).

Esses dados seguem a tendência de anos anteriores. Entre 2018 e 2019, houve um aumento do número de novos alunos, 15,9%. Já nos cursos presenciais, houve uma queda — 1,5%. Em dez anos, entre 2009 e 2019, o número variou positivamente 17,8% nos cursos de graduação presencial e nos cursos a distância aumentou 378,9%.

Em 2009, 16,1% dos novos estudantes ingressavam no Ensino a Distância, em 2019, a participação saltou para 43,8%. Mesmo assim, o Censo aponta que 87,6% dos cursos de graduação nas universidades são na modalidade presencial.

Wagner Vilas Boas, Secretário de Educação Superior informa que o governo deve ampliar a oferta de vagas no ensino a distância nas instituições federais.

"Percebemos que há uma tendência das pessoas optando pela EAD no lugar do ensino noturno, como ocorria há dez anos", avaliou.

O Censo também mostra um aumento do número de estudantes na rede privada. Em 2019, crescimento de 5,4% em relação a 2018 e queda (-3,7%) na rede pública. No período entre 2009 e 2019, as instituições particulares tiveram um crescimento de 87,1%, a pública de 32,4%.

Para cada aluno matriculado na rede pública, há 2,2 estudantes matriculados em instituições privadas.

Em 2019, os estudantes buscaram mais os cursos tecnológicos — 14,1%. Em dez anos, esses cursos registraram um crescimento de 132,5%.

Os cursos de licenciatura, responsáveis pela formação de professores, a maioria dos alunos matriculados estuda a distância, 53,3%, também estão na rede privada, 64% e 72,2% são mulheres.

O ano de 2019 também registrou queda no número de pessoas que concluíram a graduação — as instituições públicas tiveram queda (-3,1%). As particulares também tiveram um número negativo (-0,6%). De acordo com a pesquisa, 40% dos estudantes não concluem o curso escolhido. A taxa de conclusão feminina é de 43%. Elas são maioria em praticamente em todos os cursos, exceto engenharia.

O MEC informa que desenvolve ações para reduzir a taxa de evasão no ensino superior. A proposta é entender o que leva o estudante desistir do curso e evitar que isso aconteça.

No Censo, é possível perceber que estudantes que têm acesso ao Fies (Financiamento Estudantil) e Prouni (Programa Universidade para Todos) concluem mais o curso se comparado aos estudantes que não tem acesso a nenhum tipo de financiamento.