Educação

Diante da derrota no Senado, Weintraub propõe adiamento do Enem

Diante da derrota no Senado, Weintraub propõe adiamento do Enem

Depois da aprovação pelo Senado Federal do projeto de lei que determina a suspensão do calendário do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) por conta da pandemia do novo coronavírus, o ministro da Educação, Abraham Weintraub, propôs que a prova seja adiada em até 60 dias. Em sua conta no Twitter, o titular da pasta afirmou que, diante dos recentes resultados no Congresso – foram 75 votos a favor do adiamento e apenas um contra, do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) -, está conversando com líderes do Centrão para acertar a nova data.

O ministro insistiu, entretanto, que os parlamentares devem ouvir os estudantes já inscritos. Ainda ontem (19), Weintraub, anunciou que realizará uma votação online para decidir sobre o Enem. O processo será aberto aos inscritos ao longo da última semana de junho – até agora, de acordo com o Ministério da Educação (MEC), há 4 milhões de candidatos. Na publicação, Weintraub admitiu a possibilidade de adiar o exame para depois do fim da pandemia. O mais provável, entretanto, é que a prova ocorra no final de novembro.

ASSINE VEJA

Covid-19: Amarga realidade As cenas de terror nos hospitais públicos brasileiros e as saídas possíveis para mitigar a crise. Leia nesta edição.
Clique e Assine

A proposta aprovada pelo Senado não estabelece uma nova data, mas prevê que em caso de estado de calamidade pública, os processos seletivos de acesso à educação devem ser prorrogados automaticamente. Caso seja sancionado pela Câmara dos Deputados, o projeto pode levar também à alteração das provas de vestibulares das universidades públicas estaduais.