Economia

Toyota, patrocinadora das Olimpíadas, cancela ações relacionadas aos Jogos

Toyota, patrocinadora das Olimpíadas, cancela ações relacionadas aos Jogos

A ausência de clima de celebração e a preocupação crescente com os casos de Covid-19 no Japão fez com que a Toyota, patrocinadora global do Comitê Olímpico Internacional, anunciar que não irá fazer ações relacionadas aos jogos. Em comunicado à imprensa internacional, a montadora afirmou que não fará comerciais de TV e que os executivos da companhia, entre eles, o CEO da empresa, Akio Toyoda, nem irão comparecer à Cerimônia de Abertura dos jogos, na próxima sexta-feira, 23.

“É verdade que a Toyota não comparecerá à cerimônia de abertura e a decisão foi tomada considerando vários fatores, incluindo a ausência de espectadores”, disse um porta-voz à agência Reuters nesta segunda-feira, 19. “Não vamos exibir nenhum comercial relacionado aos Jogos no Japão”, acrescentou.

O sentimento da população japonesa, que é contra a realização do evento em meio à lentidão da vacinação e aumento de casos no país influencia na decisão da companhia, que é japonesa. Conforme mostra VEJA desta semana, os Jogos de Tóquio, que foram sucesso de marketing ao atrair cotas bilionárias de patrocínio, se tornou um grande desafio às marcas, em especial, para as nipônicas. A Toyota, por exemplo, não fez nenhum lançamento global de veículos para os jogos e centra ação de marketing em pequenos vídeos para as redes sociais. Em 2016, a rival Nissan aproveitou a Olimpíada do Rio para o lançamento global da SUV Kicks. 

A VEJA, a companhia informou que focará, nos Jogos de Tóquio, em fornecer mobilidade para transportes de delegações. “Dadas as circunstâncias especiais dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos de Tóquio 2020, em meio à pandemia global de COVID-19, não estamos planejando nenhuma atividade promocional em torno de produtos ou serviços individuais no momento”, afirma o comunicado.

Covid

Faltando apenas quatro dias para a Cerimônia de Abertura em Tóquio, uma pesquisa realizada pelo jornal Asahi afirma que 68% dos entrevistados expressaram dúvidas sobre a capacidade dos organizadores olímpicos de controlar as infecções por coronavírus, com 55% dizendo que se opunham à realização dos Jogos. Tóquio está em estado de emergência por causa da pandemia até o dia 22, véspera da abertura oficial da competição. 

Até a manhã desta segunda-feira, o comitê local confirmou 64 casos de Covid-19 em pessoas relacionadas ao evento, sendo quatro deles dentro da Vila Olímpica. Vale lembrar que, por causa da pandemia, as arenas que receberão as disputas em Tóquio não terão público.