Economia

Seguindo o Supremo, JBS vai à Justiça para pagar menos na conta de energia

Seguindo o Supremo, JBS vai à Justiça para pagar menos na conta de energia

No mesmo dia em que o Supremo Tribunal Federal julgou inconstitucional a majoração de alíquota de ICMS sobre energia elétrica e telecomunicações, por serem considerados serviços essenciais, a JBS e outras empresas do grupo J&F Investimentos correram para a Justiça de São Paulo para pedir a redução das atuais alíquotas de 25% no estado para 18%. O juiz, no entanto, não concedeu a liminar pedida pela empresa levando em consideração a legislação estadual e ainda sem seguir a decisão de repercussão geral do Supremo. Na repercussão geral, os juízes de todo o país devem julgar seguindo a decisão do tribunal superior.

O advogado tributarista Eduardo Fleury diz que deverá haver uma corrida das empresas ao judiciário já que o Supremo ainda não modulou sua decisão, ou seja, não decidiu a partir de quando vale a redução das alíquotas. O Supremo pode, por exemplo, decidir que vale retroativamente, somente a partir do próximo ano ou apenas para aqueles que já entraram com ação judicial. A decisão do Supremo vai afetar a arrecadação dos estados.

  • Leia mais
  • Como o uso das reservas americanas pode impactar nos preços do petróleo
  • Inflação e Black Friday: evento deve ter aumento na busca de itens básicos
  • A contradição entre o veto aos absorventes e o Auxílio Brasil permanente