Economia

Investidor já vê "Tarcísio candidato" como empecilho a grandes licitações

Investidor já vê

A indefinição de Tarcísio Gomes de Freitas sobre se será ou não candidato em 2022 já está colocando uma grande dúvida sobre o elogiado programa de concessões tocado por ele na pasta da Infraestrutura. Quem elogia hoje o ministro por sua postura técnica teme a versão político. E mesmo que o ministro continue com uma postura técnica, seus opositores podem dificultar politicamente que os leilões saiam do papel em pleno ano eleitoral. 

As apostas são de que licitações importantes, como o principal terminal do Porto de Santos e os aeroportos de Congonhas e Santos Dumont fiquem para 2023. Com novos investidores internacionais distantes do Brasil, especialistas dizem que licitar esses aeroportos pode significar destruição de valor.

No Porto de Santos, a complicação é ainda maior pois envolve poderosos interesses privados, que são defendidos também no mundo político. O principal terminal, o STS10, que vai exigir investimentos de 2 bilhões de reais, por exemplo, abriga hoje empresas de fertilizantes com contratos temporários que não querem sair de lá. Será que o ministro em busca de votos, talvez em estados como Mato Grosso ou Goiás, vai comprar briga com setores do agronegócio? O ministro pode sair candidato a senador por Goiás ou Mato Grosso. Outra possibilidade aventada é ser candidato a governador de São Paulo. O ministério garante que está trabalhando para fazer todas essas licitações. 

  • Leia mais
  • Joias ao mar: iates se transformam em grandiosas mansões sobre as águas
  • Estatuto impede investimento árabe no Flamengo, como brincou Guedes
  • Petrobras encontra petróleo em poço na Bacia de Santos