Brasil

MPF solocita prescrição e pede arquivamento do caso do tríplex de Lula

O Ministério Público Federal reconheceu a prescrição do processo contra o ex-presidenteLuiz Inácio Lula da Silva no caso do tríplex do Guarujá (SP).A solicitação foi assinada pela procuradora da República Márcia Brandão Zollinger. Na ação,o ex -presidente foi acusado de lavagem de dinheiro e corrupção. A prescrição foi consentidapelo MPF com a argumentação de que o STF já havia anulado as condenações de Lula emabril de 2021.De acordo com o Ministério Público, o STF “decretou a nulidade de todos os atos decisórios”do então juiz federal Sérgio Moro, razão pela qual foram tornados sem efeito todos os atosque consubstanciam marcos interruptivos da prescrição”Segundo o MP, as penas aplicadas pela Justiça anteriormente nesse processo mostram que oprazo para punir Lula prescreveu. Isso porque elas são reduzidas pela metade para acusadoscom mais de 70 anos, Lula tem 76. O ex-presidente chegou a cumprir 580 dias em umaprisão de Curitiba, até ser solto em novembro de 2019.Em nota, a defesa de Lula afirmou que o pedido de arquivamento apresentado pelo MinistérioPúblico Federal deve pôr fim ao caso “construído artificialmente a partir do conluio doex-juiz Sérgio Moro e do ex-procurador Deltan Dallagnol para prender o ex-presidente Lula,retirá-lo das eleições de 2018 e para atacar indevidamente sua reputação”.Em uma rede social, Sérgio Moro afirmou que manobras jurídicas enterraram de vez o casodo triplex. Segundo Moro, crimes de corrupção deveriam ser imprescritíveis, “Pois o danocausado à sociedade que morre por falta de saúde adequada e que não avança na educaçãojamais poderá ser reparado”.Em nota, o ex-procurador Deltan Dallagnol disse que o pedido de arquivamento porprescrição “não tem como fundamento um suposto conluio que jamais foi reconhecido porqualquer tribunal do país, mas sim a prescrição dos crimes em razão da demora da Justiça eda idade do ex-presidente”. “A prescrição é uma consequência da demora da Justiça e impedeque crimes sejam investigados e punidos depois da passagem de certo tempo”, afirmouDallagnol.