Brasil

Brasil tem risco de apagões em horários de pico, diz ex-diretor da Aneel

Brasil tem risco de apagões em horários de pico, diz ex-diretor da Aneel

Jerson Kelman, ex-diretor da Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) e da ANA (Agência Nacional de Águas), disse em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, que o Brasil pode sofrer apagões nos horários de pico de uso.

“Temos duas agendas em 2021. No curto prazo, é gerenciar a oferta e demanda para passarmos raspando sem racionamento. Os reservatórios estarão muito baixos, ninguém vai dormir tranquilo até novembro. É uma situação preocupante. Estamos correndo mais risco. Suponhamos que chova em novembro e dezembro, aí podemos começar a pensar numa nova reforma do setor”, afirmou.

Kelman foi o líder da força-tarefa criada pelo então presidente Fernando Henrique Cardoso, durante a crise de racionamento em 2001. Por isso, destacou que, como naquela época, “algo está errado agora” e destacou que nem todos os problemas foram corrigidos.

Entre os pontos principais, segundo ele, está a visão superestimada da garantia física das usinas. Isso porque, no entendimento do país, o sistema seria capaz de atender uma demanda “maior do que de fato conseguiria”.

“Ou seja, não basta ter usinar térmica, tem de ter gás. Hoje temos o mesmo problema. Há duas térmicas no Ceará (Termofortaleza e Termoceará) que não têm gás para operar. Elas usam GNL em um navio da Petrobras. Mas a estatal tirou o navio de lá e levou para a Bahia. A manutenção de Mexilhão também colocou as plataformas da Petrobras fora de combate. É muita coincidência. Na hora que mais precisa, alguma coisa acontece e falta gás. Parece um déjà-vu”, disse.

Na visão do especialista, a ANA e o ONS (Operador Nacional do Sistema Elétrico) deveriam ter se articulado para trabalhar a flexibilização das restrições operativas das hidrelétricas, o que só aconteceu a partir da criação da Creg (Câmara de Regras Excepcionais para Gestão Hidroenergética) – o que aconteceu em junho de 2021.

“Foi preciso criar a Creg para tomar as medidas. A usina de Porto Primavera, última hidrelétrica antes de Itaipu, tinha uma restrição imposta pelo Ibama de alta vazão para preservar os peixes. Essa restrição esvaziava não só Porto Primavera como também as usinas da bacia do Rio Paraná. A Creg retirou essa restrição e a Cesp conseguiu deslocar uma equipe para capturar os peixes”, exemplificou na entrevista ao Estadão.

Por fim, Kelman defendeu a “retomada das avaliações sobre a possibilidade de construção de usinas hidrelétricas, de preferência com reservatórios”. Isso porque, na opinião dele, o país desistiu de construir hidrelétricas “cedo demais” e “sem examinar quais os casos favoráveis”.

“O Brasil sempre foi líder no tema hidreletricidade e penso que abandonamos essa riqueza natural precipitadamente”, finalizou.